Páginas

domingo, 31 de outubro de 2010

Massoterapia desportiva


Direcionada a atletas e esportistas, com o objetivo de otimizar resultados e minimizar impactos. Alivia as dores e favorece a recuperação muscular dos atletas. A diferença entre uma massagem relaxante e uma massagem desportiva está na velocidade dos movimentos e no vigor das manobras, que se destinam a tratar os músculos de forma intensa.

Basicamente, temos duas linhas de atuação, que são escolhidas de acordo com o tipo de atividade física que o cliente realiza, e das suas necessidades e objetivos ao procurar o processo terapêutico da massagem para otimizar seu rendimento.

Uma linha é usada depois do esforço físico, para auxiliar a recuperar a musculatura, e a outra linha serve para trabalhar o corpo antes da atividade, preparando os músculos para a tarefa. E depois de definir qual dessas duas linhas é a necessária, trabalha-se os grupos musculares específicos. Essa modalidade de massagem contribui para a eliminação de toxinas e resíduos metabólicos produzidos pelo corpo durante o exercício, reativando a circulação sanguínea. Diminui as chances de contusões, pois aumenta a flexibilidade dos músculos, resultando numa melhora de rendimento e desempenho. E auxilia também a recuperação muscular nos períodos de descanso entre as atividades.

A Massagem Desportiva funciona bem para todas as pessoas que fazem algum tipo de esporte, seja como profissão ou como hobby. Ela completa muito bem o treino e é altamente indicada para evitar lesões musculares, recuperar e preparar o corpo para o esporte.

Geralmente, é feita no corpo todo,com enfaze em regiões localizadas e em suas zonas reflexas nos pés e nas mãos, principalmente, sendo que a isso se alia a pressão adequada nos pontos específicos. Também alguns alongamentos como complemento durante a massagem, pois eles são fundamentais à uma boa recuperação muscular. Cada atendimento é individualizado ao máximo, considerando o esporte realizado, o tempo de treino, os objetivos e tudo o que envolve a atividade esportiva da pessoa.

sábado, 30 de outubro de 2010

A dor e os nervos


A Dor é uma sensação desagradável que manifesta uma lesão real ou a possibilidade de uma lesão no corpo. A dor se inicia nos receptores especiais da dor, os quais estão distribuídos por todo o corpo. Esses receptores da dor transmitem as mensagens sob a forma de impulsos elétricos ao longo dos nervos até a medula espinhal e, em seguida, ao cérebro. Algumas vezes, o sinal desencadeia uma resposta reflexa ao chegar à medula espinhal.

Quando isto ocorre, um sinal é imediatamente reenviado ao longo de nervos motores até o local original da dor, desencadeando a contração muscular. Um exemplo de resposta reflexa a dor aguda é a reação de uma alfinetada no dedão do pé. O sinal da dor reflexa é também transmitido ao cérebro em milésimos de segundo. Somente quando o cérebro processa o sinal e o interpreta como dor, o indivíduo passa a ter uma percepção consciente. Os receptores da dor e suas vias nervosas diferem nas diferentes partes do corpo.

A dor varia de acordo com o tipo e a localização da lesão. Por exemplo, a quantidade de receptores da dor na pele é enorme e eles são capazes de transmitir informações precisas como, por exemplo, a localização de uma lesão e se a dor é surda (por ex., causada pela pressão, calor ou frio) ou uma dor pelo encurtamento de nervos, músculos e inflamação nos tendões.

Em contraste, os sinais da dor procedentes dos intestinos são limitados e imprecisos. A coluna pode estar pinçada por algum nervo, com dor leve ou queimado sem produzir um sinal doloroso. Entretanto, uma distensão e a pressão podem causar dores intestinais muito intensas, mesmo quando sua causa for relativamente inofensiva como, por exemplo, a retenção de uma bolha de gás. O cérebro não consegue identificar a origem precisa da dor intestinal, que é de difícil localização e pode ser sentida sobre uma grande área. A dor sentida em algumas áreas do corpo pode não refletir a localização do problema, porque pode tratar-se de uma dor referida, isto é, originária de um nervo no peito comprimindo a caixa torácica ou costelas encurtando nervos dos braços e dedos. Somente percorrendo a área com a sensibilidade na ponta dos dedos do Massoterapeuta pode-se sentir o problema que poderia estar agravando seu sono por vários dias, causando desconforto por algum tempo. É só quando o paciente liga para o consultório e deita na maca que pode-se realmente conhecer o próprio corpo, o que costumo dizer em meu consultório: a partir desta sessão irá perceber como estava precisando de uma massagem!

A dor referida ocorre porque sinais de várias áreas do corpo frequentemente são transmitidos pelas mesmas vias nervosas que vão à medula espinhal e ao cérebro. A tolerância à dor varia enormemente de um indivíduo a outro.

Um indivíduo pode considerar a dor de um pequeno corte ou de uma escoriação intolerável, enquanto outro pode tolerar um acidente maior ou um corte com uma faca com muito pouca queixa. A capacidade de suportar a dor varia de acordo com o humor, a personalidade e as circunstâncias. Em um momento durante uma competição atlética, o atleta muitas vezes não percebe uma contusão grave, mas poderá perceber a dor após a partida, sobretudo se a sua equipe tiver perdido. A percepção da dor pode inclusive mudar com a idade. A medida que os indivíduos envelhecem, eles queixam-se mais da dor, talvez porque as alterações do organismo reduzem a sensibilidade à dor ou, simplesmente, porque se tornam mais rotineiras que os indivíduos mais jovens.

A inflamação nada mais é que a resposta de proteção do organismo frente a uma lesão. A circulação sanguínea na área lesada aumenta, levando líquidos e leucócitos que isolam o tecido lesado e limpam a área. Esse processo provoca aumento de volume, rubor, calor, sensibilidade e dor.

A resposta da dor é muito importante em nosso organismo porque é resultado que algo de errado está acontecendo com o nosso corpo. Em comparação com um automóvel é a luz do óleo piscando e avisando que precisa ser feita a manutenção. Com nosso organismo é a mesma coisa, mas, se algo está doente, reflete em forma de dor, é a forma que o seu e o meu organismo tem como dizer... há algo de errado nesta parte do seu corpo e, você agora, pode parar um minutinho e sentir onde está doendo? A relação que sempre digo aos meus pacientes é que a gente sabe quantos cavalos de potência o carro tem o modelo e o ano... Então, fazemos até comparações com outras marcas mas, já pararam para pensar quanto tempo a gente fica dormindo em colchão embarrigado e sem a densidade correta prejudicando a sua coluna vertebral? De nada adianta a pessoa começar um tratamento de coluna e continuar com os maus hábitos tais como, por exemplo, dormindo ou assistindo televisão no sofá! Cruzar pernas ao sentar, sentar sobre a carteira no bolso trazeiro da calça, dormir de bruços, parar em uma só perna, e por aí vai pessoal, todas estas dicas e muitas outras as quais passo no consultório inclusive alongamentos... os nervos não são de ferro nem de aço! Temos que cuidar com a ergonomia.

Com apenas 6 sessões de tratamento de 45 minutos e uma terapia quinzenal e após uma terapia mensal para manutenção corporal seria o ideal, seus problemas de dores corporais desaparecerão, todos nós deveríamos nos programar para receber este tratamento. Não se trata de luxúria e sim de qualidade de vida. Não deixe a dor chegar, prevenir é o melhor remédio. Pense nisso!” Complementa o Quiropraxista e Massoterapeuta Rodrigo Nora .

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Dores Musculares X Massagem desportiva


O esforço excessivo ou movimentações bruscas dos atletas podem provocar lesões musculares. As mais comuns são: cãibras, cansaço muscular e distensões. Em geral, tais problemas acontecem durante a prática esportiva. A cãimbra é causada por contrações repentinas e involuntárias do músculo.

Como as outras células, as fibras musculares produzem energia por meio de reações de combustão. Devido a intensa atividade para proporcionar movimento e calor ao corpo, as fibras musculares precisam gerar grande quantidade de energia (glicose, gorduras e oxigênio). Caso o oxigênio seja insufiente, o organismo produz uma substância denominada ácido lático.

Dentro das fibras musculares, o ácido lático impede a renovação da energia necessária para a contração do músculo (cansaço muscular). A cãimbra é uma contração brusca, espasmódica da musculatura acompanhada de dor intensa. Importante salientar que não é apenas a contração prolongada dos músculos que pode provocar dor.

Mesmo os desportistas não profissionais recorrem a este tipo de massagem, pois sabem que reduz a tensão causada pelo esforço físico.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Contratação do Profissional Massoterapeuta especializado


Pense no profissional Massoterapeuta lhe acompanhando diariamente em seus treinos; terá a garantia de uma terapia com mais diposisção física e performance em suas atividades. A qualidade de vida que irá lhe proporcionar oferecendo uma atendimento personalizado em suas atividades físicas. A certeza de que estará contratando os serviços de um Massoterapeuta especialista em terapias desportivas lhe trará um benefício inigualável.

Prática da terapia:
Existem várias técnicas que podem ser utilizadas pelo terapeuta, podendo ser na maca ou na cadeira de curta e longa duração, antes dos jogos e atividades do atleta, bem como, depois e durante a atividade física em alguma contusão, em um colchonete para atendimento no local.

O uso da cadeira de quick massagem (massagem rápida na cadeira) é muito utilizado para as terapias antes e depois dos treinos. O mais recomendado antes e depois dos treinos é uma sessão de Shiatsu e Equilíbrio Energético; equilibrando os meridianos do organismo, preparando o atleta para as atividades anterior e posteriormente aos treinos.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Massoterapia desportiva


Atendimento especial aos atletas
Os treinadores sabem e advertem que para manterem seus atletas no topo da forma física exige-se um programa regular de prevenção e manutenção, assim como tratamento no local (academias, quadras poliesportivas, campos de futebol, entre outros), onde os exercícios são realizados tanto antes como depois dos exercícios físicos.

Problemas físicos decorridos da prática de esportes:
Contusões, torções, escoriações, espasmos musculares, luxações e outras formas de acidentes, requerem tratamentos variados para acelerarem a recuperação e reduzirem o desconforto do atleta.

A massagem desportiva é sobretudo aconselhada às pessoas que fazem esforços físicos constantes. As técnicas são orientadas para aumentar a rentabilidade dos desportistas e melhorar o estado físico muscular.

Esportes praticados pelos atletas: atletismo, tênis, futebol, voleibol, basquetebol, golfe, natação, yôga, hipismo, hípico, mergulho, chute boxe, karatê, jodô, jiu-jitsu e outras artes marciais que utilizam o esforço físico durante o treino

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Atividade física em família


Não é novidade para a maioria das pessoas que a prática esportiva é essencial para a manutenção de uma vida saudável. Especialistas afirmam que praticantes de atividades físicas tendem a minimizar os problemas de saúde, independentemente da idade.

Um obstáculo citado por muitos não-praticantes é a falta de companhia durante a atividade. Nesse caso, uma ótima saída é convencer alguém da família a entrar na onda. E que tal aproveitar a ocasião para convidar o papai? Além de bom para a saúde, matriculá-lo em uma academia, por exemplo, pode ser uma ótima opção de presente nessa época.

Trabalho, estudo e outras atribuições costumam prejudicar o tempo de convívio familiar. Os exercícios em uma academia ou em um parque podem ser o momento ideal para pai e filho colocarem a conversa em dia. Segundo a psicopedagoga Betina Serson, eles devem aproveitar o pouco tempo livre, principalmente nos fins de semana, para criar o hábito da prática esportiva.

Para quem tem filhos pequenos, aulas de natação e passeios de bicicleta em parques são mais indicados. Com os filhos mais velhos, musculação, caminhadas e esportes como futebol, vôlei e tênis caem muito bem. O importante é pai e filho estarem juntos, fortalecendo o relacionamento e cuidando da saúde.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Motivos para você contratar um personal trainer


É muito comum pessoas que, por não gostarem do ambiente ou até mesmo por falta de tempo para frequentar a academia, optam por contratar um personal trainer para manter a saúde ou iniciar a prática de uma atividade física.

Entre as inúmeras vantagens de contratar um profissional especializado, estão o acompanhamento na realização dos exercícios, os treinos adequados ao seu perfil, os horários compatíveis com os seus compromissos e a possibilidade de poder fazer as aulas em casa. Além disso, a motivação do treinador dá aquela ajudinha quando surge a preguiça de malhar sozinho em casa ou na sala de ginástica do prédio.

O seu treinador pode fazer uma avaliação física e encaminhá-lo para fazer exames e testes, mas não pode prescrever dietas se não tiver formação em Nutrição, nem trabalhar com reabilitação de lesões sem o acompanhamento de um médico ou fisioterapeuta.

Se você possui condições financeiras para contratar um personal trainer, vale muito a pena, pois assim você terá atenção redobrada e companhia permanente de um profissional, que irá orientá-lo na hora dos exercícios e sempre melhorá-los, para que você possa se sentir bem com seu corpo. Para ter ótimos resultados, é preciso ter disciplina e seguir à risca as orientações do treinador, principalmente na realização correta dos exercícios.

Dicas
Na hora de contratar um personal trainer, verifique se o profissional é formado em Educação Física e tem registro no Conselho Regional de Educação Física (CREF). Busque referências sobre o trabalho que realiza através de academias ou de alunos. Isso é importante para sua segurança e confiança no trabalho que o profissional oferece.

Lembre-se que a escolha de um bom personal trainer é tão importante quanto a de um médico ou nutricionista, e que deve haver uma boa sintonia entre o aluno e o professor.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Coluna e o Esporte


Ginástica, body jump, halterofilismo, musculação, corrida e uma série de esportes, inclusive os radicais, são o que a maioria das pessoas está praticando, seja por vício ou pelo próprio benefício que a prática esportiva pode trazer para a sua saúde. E a sua coluna, como vai? Na maioria das vezes, muito mal. O culto ao corpo ou o aperfeiçoamento de um determinado tipo de esporte pode causar danos a sua coluna.

O alerta é do ortopedista do Nicholas Institute of Sports Medicine and Athletic Trauma no Hospital Lenox Hill em Nova York, Dr. Alexandre Paiva Coura, que explica a importância dos cuidados com a coluna, além de ressaltar a moderação como palavra de ordem na tentativa de evitar problemas mais sérios na coluna.

Segundo o médico, a coluna se divide didaticamente em três regiões, cervical com sete vértebras, torácica com doze vértebras e lombar com cinco vértebras, sendo que a coluna cervical e a lombar são as que mais são lesadas em atividades esportivas. Cada região tem características anatômicas completamente diferentes das outras, assim como os sinais e sintomas das lesões nessas regiões. Outro aspecto importante é que cada vez mais pessoas com idade superior aos quarenta anos de idade praticam mais esporte do que há vinte anos atrás, e que os problemas degenerativos (desgastes) e osteoporose na coluna também contribuem em alguns tipos de lesões.

Distensão Cervical

Ela consiste por um estiramento simples ou ruptura completa que ocorre em tecidos moles de sustentação da coluna cervical como os tendões, ligamentos e músculos. A distensão pode ainda envolver discos intervertebrais, os chamados amortecedores, a cartilagem e até mesmo fratura de vértebra. Basicamente o mecanismo pode ser de hiperflexão ou hiperextensão da coluna cervical, explica o médico.

Esportes como o automobilismo, kart, body jump, hapel, raffating, hipismo e ginástica olímpica, nos quais, os atletas sofrem constantemente aceleração e desaceleração em alta velocidade e esportes mais radicais como esqui, skate, motocross e ciclismo, provocando o impacto direto da cabeça pode levar além das lesões, a fratura na coluna cervical.

De acordo com o médico, o nível da ruptura ou lesão ocorre freqüentemente em regiões mais móveis da coluna que são a quinta e sexta cervicais, sexta e sétima cervicais e a sétima vértebra cérvica e primeira torácica. Dependendo da gravidade da lesão, os sintomas podem variar de um leve torcicolo à paralisia de membros superiores, devido ao déficit neurológico por comprometimento da raiz nervosa cervical.

Um exemplo para entender o mecanismo da distensão cervical é o “chicote” que a pessoa recebe quando está sentada dentro do automóvel e recebe uma batida por trás e o tronco é subitamente jogado para frente e a inércia da cabeça hiperestende agudamente o pescoço que então recua para frente provocando as lesões. “Se o atleta em questão for mais velho, com doenças degenerativas na coluna, isto pode agravar as lesões.

Quando a direção da força é lateral ou ao mesmo tempo frontal e traseira com a cabeça rodada, a coluna fica menos flexível e a força é transmitida nas articulações podendo provocar fratura”.

O quadro clínico, segundo o especialista, varia com a gravidade da lesão. Pode ser um leve torcicolo provocado pelo espasmo muscular ou até uma instabilidade grave por ruptura completa dos ligamentos e comprometimento da raiz nervosa levando a dormência, formigamento e até perda de força em membro superiores. Nestes casos, a dor pode ser irradiada na base da nuca, na área torácica confundindo com problemas cardio-pulmonares. O tratamento varia da simples imobilização e uso de analgésicos até o repouso em tração com medicação venosa para dor e relaxamento muscular.

Outros sintomas como embasamento da visão, diplopia (visão dupla), vertigem, náuseas, cefaléias podem estar presentes. Nestas situações, normalmente são feitos alguns exames como raios X, tomografia computadorizada e a ressonância magnética também ajudam no diagnóstico, informa.

Discos Cervicais

Outra conseqüência comum de agressão à coluna, segundo Dr. Alexandre, é a lesão dos discos cervicais. Eles são os chamados amortecedores situados entre as vértebras e próximos as raízes nervosas que na coluna cervical são relativamente mais fixas, do que no restante da coluna.

Quando estes mecanismos promovem a lesão do disco cervical, a hérnia (abaulamento) provocada é do tamanho de uma ervilha, porém suficiente para provocar compressão nervosa. 95% delas ocorre no intervalo da quarta até a sétima vértebra cervical e o mecanismo mais freqüente é uma compressão da cabeça para baixo, com uma hiperflexão, que por exemplo, ocorre quando se bate com a cabeça no teto do automóvel ou no fundo em mergulhos.

O médico esclarece que o tratamento também é conservador e é feito através do uso de colar cervical para imobilização, uso de analgésicos, antiinflamatórios não hormonais, relaxantes musculares, calor local e fisioterapia. O tratamento cirúrgico já é reservado quando persistem os sintomas de compressão de raiz, como dormência, formigamento, perda de força. Nestes casos, acontece a retirada do fragmento de disco que está mecanicamente comprimindo e concomitante fusão das vértebras no local da retirada do disco.

Fraturas

Com relação às fraturas cervicais, o ortopedista explica que são os casos onde as lesões são provocadas por alta velocidade e energia cinética. São considerados os mais graves, podendo levar a tetraplegia - imobilização definitiva de braços e pernas. O tratamento é a redução da fratura e descompressão do nervo, que pode ser feito com método de halo-colete ou até mesmo cirúrgico.

Coluna Lombar

É o outro segmento também bastante lesado na prática de vários esportes e, em especial, aqueles ligados ao peso, como halterofilismo, fisiculturismo e os com impacto axial repetitivo, como o vôlei, basquete e pára-quedismo que podem levar a fraturas por fadiga.

Eles ocorrem principalmente entre quarta e quinta vértebras lombares e a quinta lombar e a primeira vértebra sacral, levando as chamadas espondilolises e espondilolisteses (escorregamento vagaroso de uma vértebra sobre a outra). As lombalgias mais simples são provocadas por distensão na musculatura e ligamentos lombares, principalmente se o esforço é muito grande, e se o atleta não estiver devidamente condicionado e alongado, adverte o médico. As hérnias de disco são mais comuns entre a quarta e quinta vértebra lombar e a quinta lombar e primeira sacral que podem ser agudas ou crônicas.

Elas acontecem como conseqüência de um esforço excessivo em flexão, rotação e carga, comuns em halterofilistas, arremessadores de disco e de martelo, boliche e handball.

Cada disco vertebral fica interposto entre duas vértebras, ele tem uma parte central semilíquida (núcleo pulposo) e duas placas cartilaginosas que separam os núcleos dos corpos vertebrais. Ele serve como uma articulação que fornece mobilidade à coluna e age como colchão ou absorvedor de choques.

Com a sobrecarga o núcleo pulposo é forçado posteriormente para o canal medular, em direção a raiz nervosa comprimindo-a, levando a sinais neurológicos em um ou os dois membros inferiores, como a dor, dormência, formigamento e perda de força, com sensação de “choque” no membro afetado. O diagnóstico é feito através do exame clínico, raios X simples, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

As fraturas que ocorrem na coluna lombar são associadas à alta energia cinética, como a queda de altura, quedas assentadas, principalmente no atleta mais velho com o comprometimento degenerativo e de osteoporose da coluna.

O tratamento das espondilolise e espondilolistese pode ser conservador ou cirúrgico, mas a interrupção temporária do esporte é necessária. As lombalgias simples respondem ao tratamento com analgésico, antiinflamatório, relaxante muscular, fisioterapia e em alguns casos cinta abdominal. As hérnias de disco respondem na grande maioria com tratamento conservador que seria um repouso maior, as medicações acima descritas e fisioterapia.

A manipulação da coluna, alerta o médico, deve ser indicada com critério, e executada por profissional habilitado de preferência o próprio ortopedista. Nestas situações, normalmente podem ser usadas injeções de substâncias como a papaína (quimio-nucleólise) que “dissolve” a hérnia (ainda em fase de estudos).

A cirurgia é reservada para os casos em que os tratamentos não obtiveram sucesso e o retorno ao esporte, principalmente se profissional, deve ser questionado, mudando-se às vezes o tipo do esporte. O tratamento das fraturas quando não acomete nervos pode ser conservador se não levou a uma instabilidade da coluna, se esta ocorreu, faz-se osteosíntese entre os corpos vertebrais através da colocação de placas e parafusos.

Finalizando o especialista – membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia lembra que prevenir é essencial e, antes de iniciar a prática de qualquer atividade, as pessoas deveriam passar por uma avaliação médica, com o objetivo de conhecer melhor sobre os impactos da prática esportiva para o corpo humano.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Pratique tênis, uma atividade que queima muitas calorias


Com a popularidade que o tênis ganhou desde a Era Guga, o número de adeptos do esporte vem aumentando muito. Dos benefícios que praticar tênis proporciona, estão a melhora na coordenação motora, maior flexibilidade e mais agilidade, capacidade aeróbia, concentração, resistência muscular, além de queimar muitas calorias.

Em média, você pode gastar até 800 calorias em uma hora de jogo. É uma ótima maneira de manter a forma com uma atividade dinâmica e prazerosa.

Qual a dinâmica do jogo?

O tênis é um esporte jogado com uma raquete e uma bola por dois (simples) ou quatro (duplas) competidores, em uma quadra retangular dividida por uma rede. Pode ser jogado em quadras abertas ou fechadas.

Para quem deseja começar, é preciso ter um tênis apropriado (de sola baixa e de couro), uma raquete (as mais indicadas são as de grafite, material resistente e de maior duração, mas para quem está começando, as de alumínio são ótimas), bolinhas e uma quadra (saibro, carpete, grama ou asfalto).

O ideal é fazer aulas com um professor para aprender a executar a técnica de maneira correta. Executar a técnica errada dos golpes pode causar lesões. Quando você não sabe bater na bola corretamente, você usa mais força que o necessário. Para aprender e desfrutar do jogo de tênis, é necessário saber a maneira correta de segurar a raquete (empunhadura) e a correta execução dos golpes, as regras e as artimanhas.

Muitas pessoas perguntam se jogar tênis emagrece. Na verdade, já dissemos que todas as atividades físicas ajudam a emagrecer se associados a uma dieta alimentar equilibrada. Você consegue melhores resultados para emagrecer combinando o tênis com outras atividades como a corrida, bicicleta e musculação.

Para evitar lesões, é importante fazer muito alongamento e musculação para fortalecer a musculatura e dar suporte ao esporte. Quanto ao preço, as aulas de tênis em turma têm custo mensal de, no mínimo, R$ 100,00. Aulas particulares custam, em média, R$ 250,00 por mês.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Alongamento da lombar e da perna

O tendão que fica atrás da coxa está conectado à lombar e ao joelho. Para executar o alongamento de maneira segura em toda extensão do músculo, primeiro estique as pernas e as costas e depois, lentamente, estenda o joelho.

Passo 1
Deite de costas com o joelho flexionado e os pés no chão.



Passo 2
Traga a perna direita para o peito e respire. Mantenha o cóccix junto ao chão.



Passo 3
Lentamente, estenda o joelho a um ponto de leve tensão. Fique nessa posição por 30 a 60 segundos, depois relaxe o corpo. Repita o procedimento com a perna esquerda.


terça-feira, 19 de outubro de 2010

Ergonomia na utilização de notebooks


Sua má utilização pode levar a quadros de dores crônicas!
Notebooks e netbooks são uma parte das vidas de muitas pessoas hoje, porém, se por um lado eles melhoram a eficiência do trabalho, o seu uso está causando a piora da postura e sendo causa de dores em braços, ombros e coluna. Os notebooks foram originalmente projetados para portabilidade e uso de curta duração mais seu uso mudou devido à melhoria cada vez maior de seus recursos e configurações que permitem muitas pessoas substituirem computadores de mesa por eles.

O problema principal com os laptops é que, visto que eles não têm uma tela e um teclado destacáveis, não há nenhuma postura que esteja completamente correta enquanto os esteja usando. Por exemplo, em “A”, o computador está muito alto e distante, com os braços do usuário elevados e estendidos, resultando em fadiga desnecessária nos ombros, pescoço, costas, antebraços e mãos. Em “B”, o usuário tem o laptop no colo, que facilita o bom posicionamento do braço, mas a cabeça do usuário está pendurada, causando tensão nos músculos das costas, pescoço, ombros e tórax. Em “C”, ele está em uma superfície que é muito baixa e próxima para uma visualização confortável, e muito alta para o conforto dos membros superiores. Observa-se que as mãos estão mais altas que os cotovelos, os pulsos estão descansando na extremidade da superfície de trabalho e a parte inferior das costas não está apoiada. Esta posição aumenta o risco de danos no pescoço, costas, cotovelos e punhos.

Isso sem falar de posturas geralmente encontradas no seu uso doméstico por adolescentes, crianças e até em adultos como o uso em sofás, em cadeiras sobre o colo ou sobre as pernas dobradas, sentado ou deitado sobre a cama, em bancadas ou entre outras inúmeras possibilidades. Quando o usuário passa horas de seu dia em posições como estas isto aumentará a probabilidade de dor crônica futura. E muitas vezes quando questionada a pessoa não leva em consideração que estas horas passadas nos notebooks e netbooks possam ser responsáveis por suas dores.


Pois é, então como devemos fazer?

Existe uma alternativa, ainda que não seja a maneira ideal de se trabalhar, pois, estes computadores não são os ideais. Devemos procurar um suporte para notebook, que ofereça regulagem de altura para que possa se posicionar o computador com a la na linha dos olhos. Este suporte ainda que permite uma melhor ventilação do aparelho que tende a aquecer rapidamente. Também devemos adquirir um mouse e um teclado. Assim as mesmas dicas de ergonomia para o trabalho em desktops serão válidas.

A postura sentada ergonomicamente correta considerada atualmente é: pescoço na posição neutra com campo visual de 15 a 30 graus abaixo da borda superior da tela e distante do operador 40 a 70 cm; flexão de quadril em torno dos 100 a 110 graus proporcionando a acomodação dos isquios, e de joelhos de 90 a 120 graus; membros superiores na posição vertical e alinhados ao tronco, formando um ângulo de 90 a 110 graus de cotovelo; punhos em alinhamento com os antebraços e mãos alinhadas com o punho (evitar a extensão de dedos durante a digitação). Cotovelos ao lado do tronco, antebraço formando o ângulo de 90 graus com o braço e os ombros devem estar relaxados. O espaço entre a área de trabalho e as pernas deve estar desobstruida. Os pés devem estar paralelos ao chão ou em um apoio para os pés. Também se deve ter atenção para evitar reflexos e brilho direto na tela que reflita nos olhos.


Fontes:http://www.simpep.feb.unesp.br/anais/anais_13/artigos/1071.pdf http://www.ergonet.com.br/download/ergonomia-lombalgias.pdf

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Exercício contra o torcicolo


É muito comum, sem importar a idade, dar um “jeito” no pescoço e terminar descarregando nele toda a nossa tensão. Quando isso acontece vem uma dor que chamamos torcicolo, que parece não ter remédio e que é conseqüência de um contração muito forte dos músculos.

Para relaxar e aliviar o torcicolo ensinamos três exercícios para o pescoço que são muito efetivos, simples e suaves. Como acontece com qualquer exercício, tome o ar suficiente para encher seus pulmões e expire pela boca.

- Primeiro exercício: deite-se de costas com as pernas dobradas e os pés no chão, respirando como explicamos acima. Respire fundo novamente, e quando exalar ponha em contato a parte de trás do pescoço contra o chão com suavidade, até sentir como o resto de sua coluna vai endireitando.

- Segundo exercício: Fique de pé e coloque as mãos no pescoço, empurre a cabeça para trás enquanto suas mãos na nuca servem como apoio. Segure esta posição por alguns segundos e levante o queixo.

- Terceiro exercício: sentado ou em pé tem uma tome ar enquanto contrai o pescoço e levanta os ombros, libertando ar relaxe os ombros e pescoço. Repita algumas vezes.

domingo, 17 de outubro de 2010

Caminhada na areia contra dores nas costas


Em se tratando de tonificação da musculatura e relaxamento caminhar descalço pela areia da praia pressupõe muitos benefícios, mas pouca gente sabe que essa atividade implica também virtudes ortopédicas para os ossos.

Muita gente com problemas de dores nas costas já pode comprovar os benefícios de andar descalço na areia.

Acontece que ao não oferecer tanta resistência como outras superfícies mais duras a areia vai se adaptando ao nossos passos, reduzindo o impacto e acomodando e corrigindo a posição dos ossos. Tudo isso de um jeito muito suave e lento.

Além do que o simples exercício de caminhar ativa a circulação, o qual tem por si funções analgésicas. Está ai uma boa dica para quem sofre de dores nas costas, escolioses ou outros problemas afins.

sábado, 16 de outubro de 2010

Massagem e o Surf


Aprenda a utilizar essa arte milenar a favor do melhor desempenho no esporte

Existe uma forte ligação entre o surf e diversas técnicas de massagem. Os esportes, em geral, podem causar tensões e até acarretar problemas mais sérios caso não sejam realizados os cuidados necessários. Uma maneira de prevenção de lesões para o corpo do atleta, após a prática do esporte, é a massagem.

“No surf, como em todos os esportes, temos grupos musculares específicos que são constantemente exigidos durante sua pratica. A falta de aquecimento e preparo físico – antes e depois da realização da atividade – podem ocasionar dores e rigidez articular principalmente nos membros superiores, ombros e região lombar”.

O surf vem sendo praticado mundo afora há muito tempo. O esporte iniciou-se no Havaí e foi levado à frente pelo pai do surf moderno, Duke Paoa Kahanamoku, que graças a sua persistência manteve a modalidade viva. Atualmente, o surf é praticado por pessoas de todas as idades, em diversos lugares do planeta e tem evoluído a cada ano, juntamente com as terapias associadas a ele.

A técnica oriental de massagem, shiatsu, visa harmonizar corpo e mente, a pressão dos dedos e cotovelo em pontos específicos do corpo – os chamados meridianos – é usada para aliviar dor e fadiga muscular causadas após uma sessão de surf. “O shiatsu é indicado, principalmente, para prevenir patologias ligadas à postura”.

Além da massagem é indicada uma alimentação balanceada, boas noites de sono e alongamentos para preparar a articulação para o impacto durante a remada.

Informações complementares:

Indicações: no mínimo uma sessão de massagem por semana.

Outros benefícios da massagem desportiva:

Alivia dores localizadas causada pela postura no surf;
Melhora a circulação do sangue e dos vasos linfáticos;
Produz relaxamento e alívio do estresse;
Melhora a respiração;
Ajuda a manter a saúde e previne doenças.

.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Exercício físico no combate a depressão


Mais um ponto positivo para a prática de exercícios: ela ajuda a combater a depressão. Chamada de doença do século, estima-se que mais de 120 milhões de pessoas em todo mundo sofra com a depressão. O recado é mexa-se para espantar a ansiedade, estresse e seus sintomas. A nota abaixo da Agência Estado foi publicada pelo R7.

Pouca gente sabe que o exercício físico pode ser um coadjuvante no tratamento da depressão. Para estas pessoas, movimentar o corpo, muitas vezes, significa apenas melhorias na circulação, emagrecimento e alívio do estresse.

Atividades físicas proporcionam bem-estar, especialmente porque o organismo produz endorfina e serotonina - neurotransmissores que amenizam a dor e trazem prazer. Quando estas substâncias circulam pelo corpo, melhoram a memória e a disposição física e mental, deixam o sistema imunológico mais forte contra doenças oportunistas e tendem a amenizar a sensação de tristeza e desânimo.

Recomenda-se a prática regular para que os efeitos sejam realmente sentidos. Não importa a modalidade, mas os exercícios coletivos costumam proporcionar também integração e sociabilidade ideais para auto-estima. Esportes ao ar livre também são bem-vindos.

Equipe Bem Star

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Ansiedade e Exercício


Os efeitos positivos do exercício nos transtornos de humor são apontados em diversos estudos, apesar de não se ter muita certeza dos mecanismos que levam à essa melhora.

A ansiedade é um dos transtornos de humor que podem afetar o comportamento das pessoas. Diz-se que é o mais frequente. Estatísticamente é difícil definir quanto da população sofre do transtorno da ansiedade. Sabe-se que nos Estados Unidos cerca de 18% da população sofre de ansiedade, e na Europa os números são seimilares, mas esse valor se baseia na venda de um determinado medicamento tranquilizante, sendo assim o percentual de pessoas que sofrem desse transtorno pode ser ainda maior.

Entendendo a ansiedade
A ansiedade é uma emoção normal, experimentada por todos em alguns momento da vida. É a antecipação de uma situação qualquer que gera determinado nível de stress. Podemos colocá-la como sinônimo de medo. É uma consequência da percepção do perigo (entenda perigo de uma forma bem ampla!), ativando um mecanismo de auto-proteção. Quando a pessoa não consegue controlar esse nível de stress, mesmo após ter passado pela situação que gerou tal ansiedade, ela passa a ser vista como uma patologia. Por exemplo ao se aproximar de uma abelha temos algumas sensações, normais para quem está na iminência de ser picado, quando essa abelha vai embora, o esperado seria que essas sensações diminuam, nos casos patológicos elas permenecem.

Sintomas
Se acordo com o Guia de auto-ajuda Depressão e Ansiedade, a ansiedade apresenta alguns sintomas comuns. Sua quantidade, tipo, intensidade e frequencia, varia de pessoa para pessoa.

Aumento de alergias
Dores nas costas, rigidez, inflamações, espasmos, imobilidade
Palidez, falta de cor ou enrubescimento
Tremores
Mudança de temperatura corporal abrupta (subida ou descida)
Sensação de ardor
Dores no peito
Fadiga crônica
Necessidade de açúcar, doces ou chocolate
Dificuldade em falar e andar
Excesso de energia
Sensação de que está a cair
Frio palpitações
Contração muscular
Dormência, formigamento, perda de sensibilidade
Tensão, dores musculares persistentes
Necessidade frequente de urinar
Dificuldade em respirar
Tonturas
Redução da capacidade auditiva
Despersonalização
Pensamentos, melodias e conceitos persistentes
Vazio emocional
Sabores e cheiros anormais
Engasgue
Falta de apetite e paladar
Nauseas
Ilusões opticas
Tratamento
A ansiedade não tem cura, uma vez que trata-se de um mecanismo protetor do próprio organismo. O que existe é o controle dos níveis de ansiedade para que esta não interfira na vida normal. O transtorno da ansiedade, este sim, pode ser controlado.

Não se trata de uma doença adquirida ou contagiosa, ela é a consequencia da forma como aprendemos a viver e interagir com o mundo. O tratamento do Transtorno de Ansiedade é feito através de medicamentos e psicoterapia. Os medicamentos são usados para controlar os sintomas, diminuindo seu impacto no cotidiano da pessoa, enquanto a psicoterapia ajuda o indivíduo a se conhecer melhor e mudar sua forma de interagir com o mundo, buscando a diminuição dos fatores de stress que desecadeiam o transtorno de ansiedade. Sendo assim, apenas tomar os medicamentos, não apresenta um resultado efetivo, uma vez que ao cessar, os sintomas retornarão como antes.

Quais exercícios ajudam no tratamento dos Transtornos da Ansiedade ?
Exercícios aeróbios cuja intensidade não ultrapasse o limiar de lactato tem se mostrado mais apropriados. Ou seja são as atividades de intensidade leve a moderada tem mostrado efeitos positivos no tratamento dos transtornos de ansiedade.

É preciso ter cuidado com as atividade anaeróbias, uma vez que a produção de ácido lático pode estar associada à crises de pânico, em indivíduos que sofrem desse distúrbio.

Ainda não se conhece os mecanismos que levam ao efeito positivo do exercício nas crises de ansiedade, podem estar relacionado à liberação de alguns mediadores químicos como a serotonina, mas não há estudos que comprovem essa relação.

O que podemos afirmar, com certeza, é que ocupar a mente com tarefas que sejam prazerosas, distrai. E isso ajuda no controle da ansiedade a medida que tira o foco do indivíduo ansioso do objeto que lhe causa ansiedade. Além disso o exercício físico promove outros benefícios que podem melhorar a qualidade de vida do indivíduo, diminuindo as chances de desenvolver outras patologias (cronico-degenerativas, por exemplo), que poderiam ser mais um agravante no quadro da ansiedade.

De qualquer forma o exercício deve ser visto como um coadjuvante no tratamento, não substituindo a dupla medicamento/psicoterapia. Portanto se você se identificou com o texto acima e ainda não procurou ajuda, converse com um Psiquiatra, ele é o especialista adequado para avaliar se sua ansiedade é patológica e determinar qual o tipo de tratamento deve ser feito.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Como aliviar a dor no pescoço


O pescoço

"Esse trabalho é insuportável" pode ser mais que uma simples expressão. Tensão no trabalho ou em casa, tarefas que requerem muita atenção, postura incorreta e até mesmo um colchão muito mole podem deixar o pescoço dolorido e duro. Naturalmente, algumas dores no pescoço são resultado de lesão ou doença, mas a maior parte delas deve-se a uma simples tensão muscular.

O pescoço, com sua grande mobilidade e estrutura intrínseca, fica particularmente vulnerável ao estresse e à tensão. A cabeça, que pesa entre 5kg e 10kg, é sustentada por um conjunto de sete ossos pequenos, chamados vértebras, e mantida no lugar por 32 músculos complexos.

Ligadas às vértebras, e localizadas entre elas, existem pelotas de cartilagem fibrosa chamadas de discos, que agem como almofadas, ou amortecedores de choque. Oito nervos, que transmitem as sensações (incluindo a dor), e quatro artérias principais, que conduzem o sangue, passam pelo pescoço e ligam a cabeça aos ombros, tórax e braços. A frágil medula espinhal passa pelo centro do conjunto de vértebras e é protegida por ele. Acrescente a essa estrutura complexa o fato de que o pescoço se move mais do que qualquer outra parte do corpo, e que você descobriu a fórmula para o problema.

É um círculo vicioso. Quando nossos músculos ficam tensos, seja por estresse físico ou emocional, o suprimento de sangue para os músculos diminui, provocando a dor. Essa dor faz com que os músculos fiquem mais tensos. É por esse motivo que a melhor maneira de aliviar a dor no pescoço é tentar eliminar ou diminuir o estresse físico ou emocional, além de tratar dos músculos.

As sugestões seguinte podem ajudá-lo a quebrar o ciclo tensão-dor e a conhecer novos hábitos que impedirão o desenvolvimento da tensão, em primeiro lugar.


Sugestões para aliviar a dor no pescoço
Livre-se dessa dor no pescoço prestando atenção nas recomendações a seguir.

Descanse - uma das maneiras mais simples de aliviar a dor é deitar e deixar que os músculos do pescoço se recuperem. Mas não use um travesseiro alto que deixe seu pescoço dobrado.

Coloque gelo - o gelo ameniza efetivamente a dor e diminui a inflamação. Coloque gelo triturado em uma sacola plástica e cubra a sacola com uma fronha (o tecido de toalha é muito grosso para passar o frio com eficácia). Aplique a compressa de gelo no pescoço por 15minutos de uma vez.

Aqueça-o - o calor aumenta a circulação e pode ser eficaz no alívio da tensão muscular. Use uma toalha úmida ou uma bolsa de água quente, ou, então, fique embaixo do chuveiro quente. Mas não faça isso por muito tempo. O calor em excesso pode piorar os sintomas e causar mais dor. Talvez você queira fazer a aplicação quente e em seguida alguns minutos de tratamento frio.

Quando procurar um médico

Embora a maioria dos casos de uma simples tensão muscular possa ser resolvida com remédios caseiros, alguns tipos de dor no pescoço devem ser avaliados por um médico. Procure um médico, se:

-sua dor for, ou puder ser, resultado de uma lesão. (quedas, colisões e acidentes de carro podem causar dor no pescoço e lesão que não seja aparente de imediato);

-a dor no pescoço pode ser acompanhada de febre, dor de cabeça e dores musculares;

-tiver formigamento ou dormência nos braços ou mãos;

-tiver transtornos visuais;

-a dor no pescoço aumentar ou persistir por vários dias, apesar dos tratamentos caseiros.


Relaxe - o estresse emocional pode provocar tensão muscular. Preste atenção no que o estressa: o percurso até o trabalho, sua afobação para preparar o jantar toda noite, as reuniões com o chefe, e assim por diante. Depois de identificar os causadores mais comuns do seu estresse, seja criativo e pense em como reduzi-lo. Uma forma de controlar o estresse é através de técnicas de relaxamento, como o relaxamento progressivo ou a respiração abdominal.

Para fazer o relaxamento progressivo, procure um lugar calmo onde você não seja incomodado. Sente ou deite e feche os olhos. Então, começando com a cabeça e o pescoço e forçando todo o corpo para baixo, contraia intencionalmente os músculos da região e solte-os completamente.

Para fazer a respiração abdominal, sente e respire fundo, lentamente, de modo a encher o peito de ar, coloque uma mão no abdome para senti-lo dilatar e para confirmar que você está respirando profundamente. Em seguida, solte-o completamente, absorvendo suavemente em seu estômago. Respire lenta e profundamente durante alguns minutos (se fizer muito rápido, pode começar a hiperoxigenar).

Outras técnicas de relaxamento incluem meditação, ioga , exercícios e massagens. Além disso, talvez você queira desenvolver alguns de seus próprios métodos de relaxamento, como arranjar um passatempo ou ouvir a uma boa música. Faça aquilo que funcionar em você.

Use massagem - a massagem pode ajudar a diminuir a tensão dos músculos e dar um alívio temporário, além de ajudá-lo a dormir melhor. Primeiro, tome um banho quente para relaxar os músculos. Depois, peça a seu companheiro que passe óleo ou loção no pescoço e nos ombros, pressionando levemente com os dedos, em movimentos circulares. Em seguida, peça a ele que esfregue o pescoço e os ombros, fazendo movimentos firmes e prolongados de cima para baixo. Não se esqueça da região do tórax. Se ele não tiver boa vontade, tente esfregar seu próprio pescoço e o tórax com óleo ou loção por 10 ou 15 minutos.

Tome um analgésico que não precise de receita médica - os analgésicos vendidos diretamente, como a aspirina e o ibuprofeno, podem diminuir a dor e a inflamação. Se não puder tomar esses medicamentos porque é alérgico, tem problemas de estômago ou por qualquer outro motivo, experimente o acetaminofeno; ele não diminuirá a inflamação, mas ajudará a aliviar a dor.

Tenha boa postura - a dor no pescoço tem muito mais relação com a postura do que as pessoas imaginam. A cabeça e a espinha se equilibram em relação à gravidade. Quando a má postura força a lombar para frente, a parte superior das costas vai para trás para compensar. Em resposta, o pescoço é forçado para frente.

Você pode usar uma parede para ajudar a alinhar seu corpo corretamente e melhorar a postura: vire de costas para a parede e incline o corpo para frente alguns centímetros; suas nádegas e seus ombros devem tocar a parede, e a parte de trás da cabeça deve ficar próxima à ela; mantenha seu queixo firme; agora, afaste-se da parede; volte e veja sua posição; tente manter essa postura durante todo o dia.

Mantenha a boa forma - estar acima do peso também força os músculos do corpo, incluindo os do pescoço.

Fortaleça os músculos do estômago - assim como a má postura e a obesidade podem causar tensão muscular no pescoço, pouco tônus nos músculos do estômago força a parte superior das costas para trás e o pescoço para frente. Faça exercícios, como curvar-se com os joelhos dobrados (feitos basicamente sentado, em que você levanta somente a cabeça e a parte superior das costas, em vez de todo o dorso, fora do chão) para fortalecer os músculos abdominais.

Faça exercícios para o pescoço - dois tipos de exercícios para o pescoço podem ajudar a aliviar e prevenir a dor: exercícios leves de movimentos variáveis e exercícios isométricos. Faça compressa quente no pescoço antes de fazer os exercícios. Cada exercício deve ser feito cinco vezes por sessão, três sessões por dia.

Os exercícios de movimentos variados ajudam a alongar os músculos do pescoço. Sente-se ereto, porém relaxado. Lentamente, vire sua cabeça para a direita, o máximo que puder, mantenha-se nessa posição e volte ao centro. Repita o movimento para a esquerda. Então, baixe o queixo lentamente em direção ao tórax, mantenha-se nessa posição e relaxe. Levante a cabeça. Agora, incline a cabeça em direção ao ombro esquerdo, mantenha-se nessa posição e volte ao centro. Faça o mesmo com o lado direito.

Os exercícios isométricos são realizados contra resistência, mas sem mover a cabeça. Experimente essa rotina:

Sente-se ereto e relaxado, coloque a mão na testa e pressione-a contra a palma da mão, de modo a impedir o movimento; coloque sua mão direita no lado direito da cabeça e pressione-a contra a mão (como se tentasse levar a orelha direita até o ombro), mas use a mão para impedir o movimento da cabeça. Faça o mesmo com o lado esquerdo; coloque as mãos atrás da cabeça, enquanto tenta empurrá-la para trás, impedindo seu movimento com as mãos; pressione a mão contra o lado direito do rosto, enquanto tenta girar a cabeça em direção ao ombro direito, impedindo o movimento com a mão. Repita, pressionando a mão esquerda contra o rosto, enquanto tenta olhar sobre o ombro esquerdo.
Mantenha a forma - quanto mais forte e flexível você estiver, menor a probabilidade de sofrer dores no pescoço. A natação é um dos melhores e mais completos exercícios para fortalecimento do pescoço e das costas.

Mantenha o trabalho no nível dos olhos - se o desconforto do seu pescoço começa no final dia, é provável que seu local de trabalho ou seus hábitos de trabalho sejam a causa do problema. As pessoas geralmente ficam com "dor no pescoço" de tanto ficarem olhando para baixo ou para cima, durante longos períodos, no trabalho. Se possível, sempre mantenha seu trabalho no nível dos olhos. Mude a altura de sua cadeira, mesa ou monitor, use um suporte para deixar os materiais de leitura e uma escadinha, banquinho ou um apoio mais alto para pegar alguma coisa no alto.

Faça intervalos freqüentes - mude a posição do corpo com freqüência, especialmente se tiver que ficar em uma posição fisicamente estressante. Levante e ande pelo menos uma vez a cada hora.

Esqueça hábitos que "forcem o pescoço" - você segura o telefone entre o pescoço e o ombro? Você geralmente dorme sentado em uma cadeira e levanta com a cabeça pendurada para trás ou com o queixo encostado no peito? Você lava sua cabeça na pia? Todos esses hábitos podem causar tensão no pescoço. Fique atento a esses hábitos que prejudicam seu pescoço e substitua-os por hábitos saudáveis.

Durma em um colchão firme - se você acorda de manhã com o pescoço duro ou dolorido, provavelmente seu colchão, travesseiro ou seus hábitos de sono sejam os culpados. Use um colchão firme e mantenha sua cabeça alinhada à coluna. Não durma de bruços, já que força a cabeça para cima. Evite travesseiros que sejam muito altos e duros e experimente travesseiros de pena ou de flocos de espuma, em vez de espuma de borracha.

Como você pode ver, muitos dos seus hábitos diários podem contribuir para a dor no pescoço. Siga os passos citados nesse artigo para manter seu pescoço firme e saudável.

Publications International, Ltd.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Alongamento lateral

Estique o corpo na região da cintura e costas com esse alongamento. Use a postura correta e uma técnica suave. Respire e relaxe.

Passo 1
Sente-se com a postura ereta, o tronco erguido e as pernas cruzadas.


Passo 2
Levante o braço esquerdo sobre a cabeça, erguendo o corpo e estendendo a coluna. Coloque a mão direita no chão para ajudar a segurar o corpo.


Passo 3
Continue o alongamento dobrando o cotovelo direito, mas continue esticando o corpo pela cintura. Mantenha a posição por 30 a 60 segundos. Repita o procedimento levantando o braço direito.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Crochetagem - Combate a dor muscular


Definição

A Crochetagem é um método de tratamento das algias mecânicas do aparelho locomotor, pela destruição das aderências e dos corpúsculos irritativos inter-aponeuróticos ou mio-aponeuróticos através de ganchos colocados e mobilizados sobre a pele.
Fibrólise: alongamentos, ruptura das fibras.
Percutânea: projeção das estruturas anatômicas sobre a pele.

Histórico:

O fundador desta técnica é o fisioterapeuta sueco Kurt Ekman. Ele trabalhou na Inglaterra ao lado do Dr. James. Cyriax durante os anos pós-segunda guerra mundial. Frustrado por causa dos limites palpatório das técnicas convencionais, inclusive a massagem transversa profunda de Cyriax, ele elaborou progressivamente uma série de ganchos e uma técnica de trabalho.

A sua reputação se desenvolveu depois do tratamento com sucesso de algias occipitais do nervo de Arnold, de epicondilites rebeldes e de tendinites de Aquiles rebeldes. Durante os anos 70, ele ensinou seu método para vários colegas, como P. Duby e J. Burnotte. Estes perpetuaram o ensino de Ekman lhe dando uma abordagem menos sintomática da patologia.

De fato, no inicio Ekman tinha uma abordagem direta e agressiva, ou seja, dolorosa. Esta abordagem prejudicou durante muito tempo à técnica. P. Duby e J. Burnotte se inspiraram do conceito de cadeias musculares e da filosofia da osteopatia para desenvolver uma abordagem da lesão mais suave, através da diafibrólise percutânea.

Os efeitos da Crochetagem :

Efeito mecânico:

- Nas aderências fibrosas que limitam o movimento entre os planos de deslizamento tissulares.
- Nos corpúsculos fibrosos (depósito úricos ou cálcios) localizados geralmente nos lugares de estases circulatório e próximo ás articulações.
- Nas cicatrizes e hematomas, que geram progressivamente aderências entre os planos de deslizamento.
- Nas proeminências ou descolamentos periósteos.

Efeito circulatório:

A observação clínica dos efeitos da diafibrólise percutânea parece demonstrar um aumento da circulação sangüínea e provavelmente da circulação linfática. Ainda, o rubor cutâneo que segue uma sessão de crochetagem parece sugerir uma reação histámica .

Efeito reflexo:

A rapidez dos efeitos da Crochetagem, principalmente durante a aplicação ao nível dos trigger points (gatilho, de inibição, do tipo Knapp, Jones, Travell…) sugerem a presença de um efeito reflexo.

Indicações:

- As aderências consecutivas a um traumatismo levando a um derrame tecidual.
- As aderências consecutivas a uma fibrose cicatricial iatrogênica cirúrgica.
- As algias inflamatórias ou não inflamatórias do aparelho locomotor: miosite, epicondilites, tendinites, periartrites, pubalgia, lombalgia, torcicolo… .
- As nevralgias consecutivas a uma irritação mecânica dos nervos periféricos, occipitalgia do nervo de Arnold, nevralgia cervico-braquial, nevralgias intercostais, ciatalgia.
- As síndromes tróficas dos membros: algoneurodistrofia, canal do carpo.

Contra-indicações:

- O terapeuta: agressivo ou não acostumado com o método.
- Os maus estados cutâneos: pele hipotrófica, pele com úlceras, as dermatoses (eczema, psoríase).
- Os maus estados circulatórios: fragilidade capilar sangüínea, reações hiperhistamínicas, varizes venosas, adenomas.
- Pacientes que estão fazendo uso de anticoagulantes
- Abordagens demasiadamente diretas em processos inflamatórios (tendosinovite,…).
- Psicológica (estresse, emoções;…) idade (crianças ou idosos) ou solicitação do paciente.

Descrição do material:

Depois de ter testado vários materiais como a madeira, osso e outros K. Ekman criou uma série de gancho de aço para atender às exigências do seu método.

Cada gancho apresenta uma curvatura diferente permitindo o contato com os múltiplos acidentes anatômicos que se interpõem entre a pele e as estruturas a serem tratadas.

Cada curvatura se acaba em uma espátula que permite reduzir a pressão exercida sobre a pele. Isto permite reduzir a irritação cutânea provocada pelo instrumento. Além disso, cada espátula apresenta uma superfície externa convexa e uma superfície interna plana. Esta configuração cria entre as duas superfícies um bordo bisoté e desgastado.

Esta estrutura melhora a interposição da espátula entre os planos tissulares profundos inacessíveis pelos dedos do terapeuta, e permite a Crochetagem das fibras conjuntivas delgadas ou dos corpúsculos fibrosos em vista de uma mobilização eletiva.

domingo, 10 de outubro de 2010

Pontecializando o treinamento



5 estratégias mentais para potencializar o treinamento desportivo

Cada dia de esforço e tempo dedicado ao treino determina o retorno do resultado desportivo que o atleta irá alcançar no futuro. Isto acontece porque à medida que o atleta vai acumulando o trabalho dos vários dias de treino, vai condicionando a sua mente e o seu corpo para ter um determinado desempenho com uma postura ou abordagem específica, transformando-se na sua atitude em competição.

Possivelmente existem atletas que treinam menos bem e nem tão pouco se preocupam se estão a ter uma atitude promotora de bons desempenhos ou não, e ainda assim conseguem bons resultados.

Mas por cada um destes, existe um milhar que não consegue. Você não tem que ser um atleta profissional ou um campeão olímpico para ser um atleta bem-sucedido. Nem tem que ter uma sala cheia de troféus, ganhar um campeonato nacional, ou fazer a primeira página da secção de desporto.

Eles estabelecem metas ambiciosas, mas realistas para si e para com o treino duro e exigente. Eles são bem sucedidos porque estão perseguindo os seus objetivos e a desfrutar ao máximo do seu esporte.

A sua participação no esporte enriquece a sua vida, acreditando que vale a pena o esforço que colocam diariamente no treino.

A seguir 5 estratégias mentais bastante relevantes no contributo que dão para o sucesso dos atletas nos mais variados esportes. Podem todas ser aprendidas e melhoradas através de boas instruções e da prática regular e programada.

TRABALHAR A ATITUDE

Todos os dias o atleta deverá trabalhar no desenvolvimento de um atitude poderosa face ao treino duro e exigente que na grande maioria das vezes lhe causa dor e fadiga extrema. O objetivo aqui é não se focar no lado “negativo” do treino, mas sim focar-se sempre na recompensa que irá obter de todo o trabalho duro que realiza.

Deverá focar nas emoções e sensações que irá ter quando alcançar o resultado desejado, e que o treino árduo é sem dúvida o caminho para o sucesso. Assim estará a construir uma atitude confiante – “isto é fantástico, farei tudo o que tiver ao meu alcance e enfrentarei os desafios e a dureza do treino com coragem e alegria”.

Este tipo de atitude irá “condicionar” e “programar” a mente e o corpo de forma implacável face às adversidades e dificuldades até que consiga atingir os resultados pretendidos. Com esta atitude consegue construir um bloqueio às auto-sabotagens e de uma vez por todas não inventar desculpas sem sentido. O atleta deverá focar-se a 100% na recompensa do seu treino, e não nos aspectos negativos.

2. TRABALHAR A TENACIDADE MENTAL

Por exemplo, se o corpo de um nadador consegue nadar uma determinada distância com facilidade mas a sua mente não, então estará com um grave problema para resolver – e isto é muito usual nos atletas.

Terá então de desenvolver a sua resistência mental para que não se esteja a deitar a baixo constantemente, como de uma luta se trata-se entre o corpo e a mente sempre que o treino é exigente. O atleta deverá relembra-se a si mesmo, usando as afirmações – “ eu consigo nadar com facilidade” ou “ mesmo em esforço eu consigo nadar até completar a série”.

Deverá construir uma mentalidade de combate à adversidade, para isso sempre que o treino esteja “difícil” deve usar a visualização e ver-se a fazer aquilo que pretende executar, permitindo automaticamente focar-se no que é importante e não na dor.

Ao desenvolver a sua resistência mental, aumenta largamente a capacidade de dar indicações a si próprio nos momentos difíceis, focando-se com discernimento naquilo que é importante para a obtenção de um bom resultado.

3. EXTRAIR OS ASPECTOS POSITIVOS

Uma das técnicas vulgarmente utilizadas por muitos atletas bem sucedidos é a revisão mental dos aspectos positivos no treino. Muitos utilizam a parte do treino dedicada à descontração, outros fazem-no no caminho para casa.

O mais viável é o atleta fazer este exercício de forma sistematizada, e uma das formas eficazes de o realizar, é procurar um local calmo onde se possa sentar ou deitar de forma confortável, de preferência colocando-se num estado de relaxamento induzido e depois fazer o exercício mental.

Isto faz com que o atleta crie um hábito de concentra-se nos aspectos positivos do seu treino e daquilo em que ele é eficaz. Este exercício mental permite criar aquilo que em psicologia chamamos de “pistas” pequenas associações que se fazem, que permitem ligar os circuitos motores e neuronais da boa execução.

As “pistas” (uma palavra, um gesto, uma imagem, uma sensação, ou outra coisa qualquer que o atleta escolha) são um estímulo muito poderoso que o atleta gravou na sua memória e que lhe associou um conjunto de movimentos, estratégias e emoções que o colocam no seu melhor estado para a realização das ações desportivas.

Os bons hábitos diários criam vias poderosa que aumentam a auto-eficácia do atleta e consequentemente o seu sucesso.

Por este motivo o atleta deve propor-se a este exercício mental de extrair os aspectos positivos do seu treino, e associar-lhe uma pista poderosa para poder voltar a utilizar numa próxima sessão de treino e/ou em competição, aumentando-lhe a percepção de auto-eficácia e a confiança e consequentemente a performance.

4. DIMINUIR OS EFEITOS DA DOR

Uma das maiores habilidades que a mente possui a favor do atleta é a sua capacidade de diminuir a dor. Todos nós possuímos no nosso corpo analgésicos naturais, como aqueles que estão disponíveis nas farmácias.

É bastante comum ler nos jornais que, algumas pessoas que perderam membros num acidente grave, relatam não terem tido dores no momento do acidente, porque o sistema poderoso da mente, e o sistema imunitário, imediatamente libertam morfina e outros analgésicos para a área afetada, inibindo todas as sensações de dor da vítima. Esta incrível capacidade da mente e do corpo pode ser facilmente utilizada por atletas, principalmente os que praticam esportes de resistência.

Um dos aspectos mais fascinantes sobre os atletas é que a grande maioria já tem a sua mente preparada para sentir a dor! Por exemplo, praticamente todos os atletas têm a noção dos seus limites e das suas capacidades, isto é realmente bom, pois permiti-lhes continuarem a esforçar-se para tentar ultrapassa esses mesmos limites.

No entanto, esta percepção de limites torna-se por si incapacitante em algumas situações, dado que o atleta já conhece a sua zona de sofrimento, ou seja, já sabe em que momento da sua prestação irá começar a instalar-se o desconforto e a dor. E isto é efetivamente incapacitante, pois mesmo que o atleta fosse capaz de continuar sem sensações desagradáveis, vai colocar-se num estado de incapacidade por indução, por auto-sugestão da dor, é como se a dor fosse virtual.

Perante isto o que poderá então o atleta fazer?

Conseguir treinar e competir, não sem a total inibição da dor, mas a reduzi-la de forma substancial ou a conseguir aguentar a dor sem sacrifício da performance.

Isto é possível de diferentes formas, mas uma das é através da introdução de uma sugestão de auto-hipnose para que a sua mente atrase o aparecimento da dor 20 metros mais adiante que anteriormente.

Vai-se assim condicionando o atleta a ir atrasando o aparecimento da dor através de um conjunto de estratégias de auto-sugestão de distração e de dissociação da dor. Este método, tal como o treino físico necessitam de prática, e vai-se melhorando pouco a pouco até ao ponto de a dor não ser mais impeditiva de o atleta realizar performances para a qual o seu corpo é capaz.

5. EVITAR O EXCESSO DE INFORMAÇÃO

Os atletas possuem a habilidade de seletivamente focarem-se naquilo que pretendem. Esta característica mental torna-se preponderante na realização do seu esporte, exercício ou disciplina técnica, mas apenas se conseguirem dirigir a atenção para as “pistas” ou “atalhos” que promovem a boa performance.

Igualmente significativo é perceber o que é que não é relevante para a execução de uma boa performance, e assim conhecer o que é motivo de distração e sabotagem de uma boa execução.

A Informação em excesso, ou informação não significativa é envida em forma de sinal ou estímulo para o corpo, podendo gerar alguma confusão.

Este processo pode promover um estado de indecisão, levando a que o corpo não execute os movimentos ou resultados desejados. Assim que consiga perceber ou identificar as pistas ou atalhos de performance e consiga de forma clara reconhecer as distracções e pistas ou informação não relevante, coloca-se numa melhor posição para conseguir atingir um estado de total imersão no seu desempenho.

Atingir este estado, leva o atleta a conseguir colocar-se na sua Zona de Ótimo funcionamento ou atingir a sua Zona de Foco.

Pistas sem importância ou distrações como por exemplo, poder estar a pensar num passe falhado, ou numa técnica falhada, assim como o que a equipe ou o treinador poderão dizer, afasta o atleta daquilo que é importante focar-se para obter um bom rendimento. Aprender novas habilidades e desenvolver novas capacidades leva tempo.

Não importa se você está a aprender habilidades físicas ou mentais, a repetição e aplicação são necessárias nas práticas diárias do treino.

E importante o desenvolvimento da tenacidade mental através do refinamento da capacidade de foco naquilo que o atleta reconhece como sendo as suas pistas para a boa performance. Os atletas que conseguem perceber e desenvolver esta capacidade ganham uma vantagem competitiva.


Fonte: Escola Psicologia.com

sábado, 9 de outubro de 2010

Massagem esportiva


Aconselhada, principalmente, para pessoas que fazem esforços físicos intensos e regulares, como atletas e praticantes de exercícios físicos frequentes.

Pode ser utilizada antes da prática do esforço físico intenso, de modo a prevenir possíveis lesões musculares, bem como depois da atividade física, contribuindo para a redução da tensão muscular.

É aplicada na prevenção e recuperação de lesões, tais como: estiramentos, contusões, bursites, distensões, tendinites e fraturas por estresse. Outro aspecto é que a massagem desportiva aumenta a rentabilidade do atleta, tonificando os tecidos moles do corpo, como músculos, ligamentos e tendões.

Somos corpo e mente necessitando constantemente de cuidados. É nesse sentido que trabalhamos para reconfortar e para preservar o equilíbrio, segundo técnicas e terapias mais adequadas às necessidades de cada um.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Vantagens da Massagem Desportiva


O maior benefício de uma massagem desportiva é o tratamento de lesões relacionadas com a prática do desporto. Conheça os benefícios e aplicações.

É uma massagem específica para aliviar as tensões musculares e as inflamações dos músculos depois dos eventos desportivos. É também muito utilizada para aquecer e relaxar os músculos antes das provas, seja em atletas amadores como em atletas de alta competição, como é o caso dos atletas olímpicos.

Para Que Servem as Massagens Desportivas
Todos os atletas desejam aumentar as suas performances desportivas para poderem ser mais competitivos e ganharem nas suas modalidades de competição. Para conseguirem ser os melhores, precisam de seguir um plano de treino rigoroso que faça aumentar as suas capacidades a habilidades, como a força, resistência e velocidade.

O problema é que o aumento dos níveis dos treinos também aumentam as probabilidades de existirem lesões musculares graves, que impedem a competição durante vários meses e em casos mais graves podem mesmo impedir a continuidade do atleta.

Treino Muscular Excessivo
Quando um atleta aumenta a sua rotina de treino, quase sempre utiliza os músculos de forma exaustiva, causando stress nos tecidos musculares. Um dos problemas é que estes atletas, com a ânsia de melhorarem, ignoram as dores musculares, o que é um erro completo, porque estas dores musculares iniciais podem transformar-se em lesões gravíssimas que podem até acabar com uma carreira.

Quanto mais ignorarem uma lesão, mais susceptíveis ficam para novas lesões e dores musculares.

Fazer a Massagem Desportiva
Uma das formas de encorajar os músculos a recuperarem após os treinos é através da massagem desportiva, porque alivia todas as tensões e o ácido lácteo nos músculos exaustos. Com isto o sangue e oxigénio podem voltar aos músculos e fazer uma reparação eficaz dos tecidos musculares, originando músculos mais fortes e resistentes.

Por isso é que as massagens desportivas são tão utilizadas em alta competição, já que ajudam os atletas a prevenirem lesões por utilização muscular excessiva.

Se pratica esportes, visite uma clínica de massagens para receber e aprender como fazer uma massagem desportiva, para evitar as dolorosas lesões no futuro.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Dez dicas para um treino eficiente


1.TREINE PELO MENOS TRÊS VEZES POR SEMANA. É o mínimo para os efeitos da corrida começarem a ser sentidos. Apenas a partir deste ponto, começa a haver a supercompensação, pois os intervalos entre os estímulos não ficam tão grandes e o corpo pode realizar o processo de adaptação ao esforço.

2.AUMENTO DE VOLUME DEVE SER GRADUAL. Não eleve o volume dos seus treinos abruptamente, tentando atingir cargas elevadas em pouco tempo. Deve-se aumentar o volume semanal em no máximo 10% por vez.

3.TREINE EM GRUPO APENAS UMA VEZ NA SEMANA. Corra em grupo apenas um dia por semana, no treino de intensidade média. Nos outros, corra sozinho, pois há o risco de o grupo aumentar o ritmo dos treinos regenerativos ou de diminuir o ritmo dos de alta intensidade. Alguém do grupo sempre estará correndo fora do ritmo correto. Nos treinos orientados por um técnico, esse perigo é minimizado pelo planejamento individual semanal.

4.OS ORGANISMOS SÃO DIFERENTES. Esqueça os conselhos dos parceiros de corrida. Cada corpo tem características próprias e o que serve para eles não necessariamente é o melhor para você.

5.RESPEITE OS PERÍODOS DE DESCANSO. Entre os treinos é necessário um período de descanso para seu corpo se recuperar dos desgastes, realizar a supercompensação e também evitar lesões e fraturas. Treinar antes de o corpo completar esse processo prejudica sua performance. O período de descanso é maior quanto maior o volume ou intensidade do treino.

6.APROVEITE A RECUPERAÇÃO ATIVA. Parte do descanso pode ser feita com recuperação ativa, que consiste em realizar atividades físicas paralelas de baixo impacto, como natação e ciclismo.

7.DIMINUA O VOLUME AO FINAL DE CADA MESOCICLO. Essa diminuição no último microciclo de cada mesociclo serve para o corpo se recuperar do desgaste. Esse microciclo recuperativo pode ser adiantado caso seja necessário, afinal você deve acompanhar sua evolução e avaliar se está se sobrecarregando.

8.EVITE O OVERTRAINING. Evite sobrecargas exageradas para não entrar em overtraining, ou seja, queda de rendimento por excesso. Após um treino longo ou de alta intensidade, deve vir um treino regnerativo ou um dia de descanso. Siga com rigor sua planilha, pois nada que é exagerado é produtivo.

9.CONHEÇA SEU RITMO. A cada treino, preste atenção no ritmo em que está correndo e na sua percepção de esforço, para reconhecer o que é fraco, moderado, um pouco forte, forte, e muito forte. Acompanhe sua freqüência cardíaca e sua evolução em cada treino para avaliar se está se desenvolvendo no ritmo certo, dar feedback para seu treinador e correr suas provas.

10.RESPEITE SEUS LIMITES DURANTE A PROVA. Não hesite em diminuir o ritmo ou até andar, se estiver apresentando sinais de fadiga. Não é demérito e se trata de uma questão de segurança e preservação: você poderá correr a próxima prova em boas condições. Verifique a temperatura média e o relevo do percurso para poder ter controle da situação quando for correr.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Pubalgia

DOR NO QUADRIL PODE SER PUBALGIA
O termo pubalgia denomina dor no púbis (o osso que se localiza no final do músculo do abdome, sob a região genital; faz parte do osso do quadril - veja figura a seguir -.



Essa denominação é muito abrangente, o que muitas vezes gera confusão, pois seus sintomas podem se assemelhar a outras patologias. Para alguns autores este termo é usado para a ocorrência da lesão do canal inguinal, mais conhecida como hérnia inguinal.

Outras patologias que têm sintomas parecidos são: hérnia inguinal, doenças geniturinárias, osteítes púbicas (síndrome do músculo grácil e síndrome do músculo piriforme), prostatite, bursites na região do quadril ou artrite do quadril.

Porém, mais de uma causa pode estar associada à dor no quadril. Abordaremos nesta matéria somente a dor na virilha relacionada à tensão da musculatura dessa região com ou sem alteração do osso do púbis e sem hérnia inguinal.

A dor na região do púbis ou na virilha é muito comum em atletas e pode ser aguda ou crônica. Acomete principalmente jogadores de futebol e tênis, mas também corredores de longa distância (maratonistas) quando em treinos de tiro, ou corredores de aventura.

É mais freqüente em homens do que em mulheres devido à quantidade proporcional de praticantes de futebol e também às diferenças anatômicas e biomecânicas dessa região do corpo (a bacia da mulher se adapta melhor aos impactos dos esportes).

Mecanismos de lesão e causas.
Os mecanismos de lesão podem incluir alterações rápidas de direção, movimentos repetidos de corrida associados a desequilíbrios musculares, traumas diretos, diferenças no comprimento dos membros inferiores, prática esportiva em pisos duros, uso de calçados inadequados e excesso de treino.

A causa mais comum da dor na virilha é a distensão ou tensão exagerada da musculatura que envolve esta região, abrangendo os músculos adutor longo, reto abdominal, iliopsoas, pectíneo e reto femoral.


Pouca flexibilidade da musculatura da região do quadril e pélvis, assim como instabilidade de quadril e desequilíbrio muscular entre adutores e músculos do abdômen, também podem contribuir para o surgimento da pubalgia.

Quando a pubalgia tem sua causa na musculatura, o músculo e tendão mais acometido normalmente é o do músculo adutor (porção longa), podendo apresentar uma inflamação crônica ou até uma lesão das fibras (ruptura de uma parte do tendão ou músculo).

Outro músculo comumente acometido é o reto abdominal na porção que se insere no osso púbis. A tensão nestes dois músculos desequilibra o quadril, pois o músculo reto abdominal traciona o osso do quadril para cima, enquanto o adutor puxa para baixo.

Sintomas.
A dor é bem localizada na virilha e pode acometer apenas um lado ou os dois. Normalmente ocorre durante a corrida (ou outro esporte), mas se o atleta continuar correndo a dor pode aparecer durante outras atividades como sentar-se e levantar-se de uma cadeira, subir e descer escadas, agachar, mudanças de direção abrupta, aceleração e chute. Corredores normalmente apresentam dor localizada e forte desde o início da doença.

Se houver irradiação da dor, o atleta pode sentir incômodo na região de abdome inferior, adutores, região genital e lombar, caso haja associação com alterações da articulação sacroilíaca (junção do quadril e porção final da coluna).

Diagnóstico.
Quanto mais demorado for o início do tratamento maior será o tempo de recuperação. Quando diagnosticado e tratado rapidamente o corredor tem a chance de não se afastar da corrida, tendo apenas o seu treino modificado até a recuperação total. O tempo de afastamento do esporte depende de cada caso.
O diagnóstico médico é de extrema importância.

Além do exame físico, os exames de imagem auxiliarão o médico a fazer o diagnóstico correto. O raio X pode mostrar lesão do osso púbis, calcificação dos tendões acometidos, osteoartrite ou instabilidade pélvica. Já a tomografia computadorizada e a ressonância magnética podem evidenciar outras causas da dor na virilha, como a existência de hérnia inguinal ou lesões musculares e tendíneas.

Tratamento.
O tratamento para dor na virilha decorrente da hérnia inguinal é, na maioria das vezes, cirúrgico. Já o tratamento para pubalgia decorrente das alterações musculares e ósseas é conservador. Esse é o principal motivo de escolhermos o segundo tipo para aqui abordarmos. Além do tratamento médico, a acupuntura e a fisioterapia auxiliarão a completa recuperação.

O objetivo do tratamento fisioterápico consiste em diminuir a dor e a inflamação, aumentar a resistência do tendão ou tendões acometidos, restabelecer o equilíbrio muscular, melhorar a estabilidade do quadril e da coluna.

É recomendada a aplicação de bolsa de gelo por 20 minutos no local da dor, duas a três vezes por dia, desde o início do aparecimento da dor até o final do tratamento.

No início da patologia não se deve correr com dor. Muitas vezes, após a realização do tratamento correto, no retorno ao esporte pode acontecer um pouco de dor durante a corrida, mas essa dor pode ser descrita mais como um incômodo do que dor. A musculatura acometida precisa de um tempo de adaptação, o que justifica esse incômodo, bem diferente da dor durante a pubalgia.

A pubalgia é um grande desafio na medicina esportiva. Não é apenas um problema para ser diagnosticada, mas também de difícil tratamento. Se não tratada corretamente pode se tornar crônica e atrapalhar a vida esportiva dos atletas. É uma patologia que requer um acompanhamento multidisciplinar.

Siga sempre a orientação do seu médico e procure um profissional capacitado para acompanhar a sua reabilitação.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Conheça os benefícios da Ginástica Laboral


Exercícios feitos duas vezes por semana já apresentam resultados

O sedentarismo é o maior vilão da saúde, já que somamos a falta de tempo com a preguiça para praticar alguma atividade e acabamos engordando e aumentando os riscos de contrairmos algum tipo de doença, como pressão alta e diabetes. Uma forma que as empresas encontraram para diminuir os casos de doenças e problemas musculares em seus funcionários foi a ginástica laboral, que utiliza exercícios praticados em pouco tempo e que podem ser feitos sem uniforme ou em uma academia.

A ginástica laboral aplica exercícios durante a jornada de trabalho e proporciona muitos benefícios quando feita corretamente. De acordo com Valquiria de Lima, presidente da Associação Brasileira de Ginástica Laboral (ABGL), os resultados começam a aparecer quando a prática é feita a partir de dois dias na semana. Mas para que os resultados sejam satisfatórios e não haja nenhum tipo de problema decorrente de exercícios mal praticados é necessário a presença de um instrutor, já que se a ginástica laboral for feita de forma errada porderá acarretar em mais problemas de saúde.

As empresas buscam profissionais de educação física para orientar a ginástica laboral aos seus funcionários, que passam a ter acesso a uma atividade física e melhoram o estilo de vida, além de trazer o convívio social entre os empregados, já que os exercícios são feitos em grupo, independente dos níveis hierárquicos da empresa. Desta forma, a ginástica laboral busca prevenir as lesões e acidentes de trabalho e levar o bem-estar a todos os funcionários, que passam a ter consciência sobre seu corpo e os limites dele.

É preciso saber que os exercícios não tem foco terapêutico. "A ginástica laboral é uma atividade física com o objetivo de diminuir a carga gerada pelo trabalho e para fazer com que o funcionário tenha percepção de seu corpo, o conheça melhor", afirma Valquiria. Um dos problemas físicos que podem surgir pelo sedentarismo são os ligados a movimentos repetitivos, como a L.E.R. (Lesão de Esforço Repetitivo) e D.O.R.T (Distúrbios Ortomoleculares Relacionados ao Trabalho). Estes problemas são os maiores causadores de afastamentos de funcionários, já que se torna impossível trabalhar com estes tipos de lesões. Mas é preciso informar o profissional quando houver uma lesão ou doença antes do início da prática, pois é necessário procurar um médico para que ele possa informar se o tipo de problema permite que os exercícios sejam realizados.

Infelizmente, as pessoas somente pensam no corpo quando as dores surgem. Postura errada para digitar, andar e sentar são um grande problema, pois é preciso deixar para trás alguns hábitos para poder viver melhor. Quantas vezes você não reparou que estava andando como se estivesse literalmente carregando o mundo nas costas? Esse problema pode se tornar crônico e com a necessidade de uma cirurgia para corrigir esse desvio na coluna. Entre as lesões mais frequentes estão as na coluna cervical, nos ombros, nos cotovelos, nos punhos e nas mãos. O afastamento de um funcionários por um desses problemas é prejudicial não somente ao trabalhador, mas também ao empregador.

Os exercícios de ginástica laboral são feitos de cinco a 15 minutos, podendo ser praticados diariamente, e tentam exercitar as partes do corpo onde as lesões são mais frequentes. Por isso, a prática é benéfica tanto a empresa quanto ao trabalhador. Os principais benefícios da ginástica laboral é o aumento da auto estima, melhora na flexibilidade, agilidade, ritmo, resistência, além de ser uma arma contra o sedentarismo, estresse e ansiedade. Além disso, quando os exercícios são feitos há uma maior interação entre todos os funcionários, que se sentem mais motivados para trabalhar.

O objetivo da ginástica laboral é proporcionar ao funcionário uma melhor utilização de sua capacidade funcional através de exercícios de alongamento e relaxamento. Para tirar maior preveito das atividades é necessário saber qual tipo de exercício se encaixa melhor para o setor ou a todos os funcionários da empresa. Inicialmente, a ginástica laboral era conhecida como "ginástica de pausa", mas hoje foram desenvolvidos outros exercícos como o preparatório, compensatório e relaxante.

Os tipos de exercícios de ginástica laboral são:

Ginástica Preparatória - Deve ser realizada antes do início do trabalho ou logo nas primeiras horas. Os exercícios são elaborados para o aquecimento e alongamento de determinadas partes do corpo, permitindo assim que aumente a circulação sanguínea. A atividade é indicada para funcionários de áreas que atuam com máquinas, para que o corpo esteja preparado para a jornada de trabalho.

Ginástica Compensatória - É realizada durante a jornada de trabalho, dando uma pausa no expediente para compensar os músculos que não são utilizados durante o dia. Os exercícios buscam diminuir o cansaço com descontração muscular e relaxamento. A ginástica é indicada para as área administrativas ou em que o funcionário fique sentado por muitas horas em frente do computador.

Ginástica Corretiva - Utiliza-se de exercícios de alongamento, fortalecimento muscular e conscientização corporal, reeducando sobre como manter a postura e movimentos, para assim evitar as lesões e dores, sendo usada para a reabilitação, mas não é mais usada pelos profissionais nas empresas. Os exercícios costumam dar mais foco aos músculos do tronco e dos braços para melhor estabilizar e proteger a coluna.

Ginástica Relaxante - Feita no fim do expediente, tem o objetivo de relaxar o funcionário para livrá-lo das tensões acumuladas durante a jornada de trabalho, desta forma permite que o trabalhador se recupere do desgaste exigido durante o dia. É indicada aos trabalhadores do terceiro turno, como seguranças e enfermeiras que trabalham no período da noite e madrugada.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Crioterapia para Lutadores


Água e gelo. Parece simples, mas especialistas garantem que a crioterapia traz benefícios para lutadores. O termo crioterapia significa “terapia pelo frio”. Qualquer tipo de uso do gelo ou de aplicações com frio cujos objetivos sejam terapêuticos é, assim, crioterapia. Em suma, é a aplicação terapêutica de qualquer substância ao corpo, resultando numa retirada do calor corporal e, por intermédio disso, redução da temperatura tecidual.

Alguns autores afirmam que adicionar ao gelo uma pequena quantidade de sal parece aumentar os efeitos fisiológicos da crioterapia. No livro Pronto Pra Guerra, abordamos o tema em profundidade, somado a outras técnicas bem empregadas para acelerar a recuperação de atletas de elite de modalidades de combate.

Mania entre atletas brasileiros, é comum ver Rodrigo Minotauro e Demian Maia imersos nas águas geladas após fortes sessões de preparação técnico-tática ou física. O preparador físico Rafael Alejarra, asseverou anteriormente em matéria publicada na Revista TATAME: “O benefício mais perseguido da crioterapia é o efeito analgésico que ela propicia, de forma localizada, sem a utilização de agentes farmacológicos”.

A terapia utilizando o frio não cura nenhuma enfermidade; contudo, supostamente, constitui ferramenta valiosa que auxilia no tratamento de várias patologias ortopédicas e neurológicas. Quando aplicada adequadamente, parece reduzir o espasmo muscular que acompanha a hérnia de disco, lombalgias, cervicalgias, sintomatologia dolorosa e problemas articulares.

Na literatura científica, apesar de não haver material vasto sobre o tema confirmando seus resultados e o que tem publicado ser inconclusivo, alega-se que os principais efeitos fisiológicos são: anestesia, redução da dor, redução do espasmo muscular após treino intenso, relaxamento, mobilização precoce, melhora a amplitude de movimento, redução do metabolismo, redução da inflamação, redução do edema, quebra do ciclo dor-espasmo-dor, etc.

O lutador do UFC, Demian Maia, experimentou o recurso antes de uma luta, e, aparentemente, aprovou: “Esse método é excelente. Depois de fazer a imersão, você sente um pouco de frio, mas depois toma um banho quente e sente a musculatura bem relaxada”, alegou.


Leandro Paiva
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts with Thumbnails