Páginas

domingo, 30 de novembro de 2014

FORTALEÇA SEU ADOMEM E, AO MESMO TEMPO, AMPLIE O COMPRIMENTO DA COLUNA





Amarre um elástico em uma barra, deite-se a uma distância, onde, antes de iniciar o exercício, o elástico já possua alguma resistência!
Dobre os joelhos, apoiando a sola dos pés sobre o chão. Organize seu olhar a sua frente. Ao EXPIRAR, tracione o elástico, dirigindo as duas mãos em direção da sua bacia – encaixe os ombros sobre as costelas crescendo o pescoço, em oposição. Mantenha os cotovelos levemente dobrados.
INSPIRE LENTAMENTE, enquanto os braços permanecerem embaixo, preservando todas as correções solicitadas (não relaxe a pressão dos pés contra o solo).
Inspire dentro do seu volume, portanto, NÃO DILATE A BARRIGA AO INSPIRAR.
Retorne com controle, solte o elástico – Se espreguice, repetindo a seqüência mais 9 vezes.

DIVIRTA-SE, NÃO SOFRA!

Ivaldo Bertazzo

sábado, 29 de novembro de 2014

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

VOLEIBOL E MASSOTERAPIA




A iniciativa de trabalho com terapia por massagem no vôlei teve inicio nos anos de 1980 ,quando algumas equipes norte americanas chamavam além de quiropráticos ,profissionais de massagem terapêutica. 

Com o passar dos anos, a massoterapia cresceu e as necessidades para os atletas também. ´Médicos de medicina do esporte, começaram a desenvolver equipes interdisciplinar em equipes dos EUA , logo em seguida o Canadá aderiu as demandas e a massoterapia já demarcava um espaço reservado. 

Na Europa a Massagem especializada é aceita em equipes de Vôlei desde a mesma época. 

No Brasil oficialmente não se tem noticia, mas alguns locais até utilizam massoterapeutas nas equipes. A proposta é que em breve a massoterapia possa está mostrando seu valor no cenário do Vôlei brasileiro. 

Os métodos utilizados pelo mundo no ambiente do vôlei: Massagem desportiva, Drenagem linfática, alongamento especializado e Deep Tssui Massage.


ABRAMC
Westminster Reino Unido - 2009
MassageTherapy Foundation - 2009
American Massage Sports - 1989


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Uma visão geral da Massoterapia



Vivemos em nosso dia-a-dia focalizando uma vida melhor e mais feliz para nós e para aqueles que nós amamos, familiares e amigos.  Todavia, para que possamos desfrutar as nossas conquistas diárias, precisamos manter uma qualidade de vida boa, com total bem estar físico, mental e social, que nos impulsionará para maiores e melhores conquistas futuras, seja no nosso trabalho ou em casa.
Mas como melhorar nossa qualidade de vida?
A vida é a troca e o relacionamento que temos com o mundo, com as pessoas que nos cercam e o meio ambiente em que vivemos.  E para que possamos aproveitar os momentos que a vida nos traz é preciso que nossa saúde esteja otimizada, sendo o cuidado que temos com nós mesmos o alicerce para uma vida melhor.
Um modo tradicional que a humanidade desenvolveu para manter condições saudáveis para o funcionamento de nossos corpos e mentes, é a Massoterapia.
A Massoterapia é a terapia através da massagem.  Hoje, encontramos várias técnicas de massagens que foram sendo desenvolvidas pelos mais diferenciados povos e culturas que temos no mundo.
Na milenar China Antiga, há mais de 3.000 anos, desenvolveu-se a Medicina Tradicional Chinesa que utilizava juntamente com a Acupuntura (tratamento através de agulhas) e a Moxabustão (tratamento através do calor), uma técnica de massagem denominada An’ma, que originou a técnica Tuiná na China Contemporânea, e o Shiatsu no Japão.
Da Índia desenvolveu-se a massagem Ayurvédica, com utilização de óleos com os mais interessantes aromas. Assim como da Tailândia surgiu a misteriosa massagem Tailandesa.

Na Europa, criaram-se técnicas científicas de tratamento através da massagem como a Massagem Clássica ou Sueca, que auxilia na fisioterapia médica.
Dos E.U.A originou-se a Quiropraxia, que consiste em se manipular as articulações do corpo e colocá-las harmoniosamente em posição.
E em todo o mundo podemos encontrar as mais diferentes técnicas para melhorar a vida humana através da massagem.
A massagem ocasiona uma melhora na circulação sanguínea ao longo de todo o corpo humano, levando mais oxigenação e nutrientes aos mais fantásticos órgãos corpóreos. Os músculos ficam menos tensionados e o sistema nervoso funciona com melhor desempenho.  O corpo como um todo fica mais receptivo e preparado para se inter-relacionar com o meio em que vivemos.
Durante uma sessão de massagem, deixamos que o terapeuta nos toque com respeito, retirando possíveis barreiras que criamos ao longo do dia. O massageado começa a sentir a complexidade que é o próprio corpo, ao mesmo tempo em que se deixa relaxar a musculatura e, ao final sente-se mais leve e livre de tensões, estando em harmonia com as pessoas e seu mundo, ou simplesmente, tendo seu corpo e mente mais descansado.
A terapia através da massagem traz por vezes aquilo que não temos com a agitação de nossos dias, isto é, a paz interior, livre de preocupações, angústias e ansiedades.
Não podemos parar o mundo e nem nossas vidas, mas podemos melhorá-la, cuidando de nós para cuidarmos do nosso mundo.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

18 exercicios de alongamento para todo o corpo

1 – Em pé, com os joelhos levemente dobrados, ou sentado, mantendo as costas alinhadas, em postura correta, cruze os dedos das mãos acima da cabeça, com as palmas viradas para cima e promova a extensão dos braços até o limite, mantendo por 15 segundos.


Exercício 1

2 – Em pé, com os joelhos levemente dobrados um dos braços acima e atrás da cabeça, e cotovelo dobrado, segure-o com a outra mão e puxe suavemente, inclinando o tronco para o mesmo lado até seu limite, mantendo por 15 segundos. Repetir com o outro lado.

exercício 2
Exercício 2

3 – Em pé, com os joelhos levemente dobrados, entrelace os dedos das mãos atrás das costas, apontando a palma das mãos para o chão e fazendo a extensão dos cotovelos, gentilmente, até seu limite. Mantenha por 10 segundos.

exercício3
Exercício 3

4 – Sentado, mantendo as costas alinhadas e a postura correta, pernas relaxadas, aponte o queixo para um dos ombros, sem flexionar a cabeça, mantendo em rotação máxima para seu limite por 10 segundos e, em seguida, repita a mesma operação para o outro lado.

exercício 4
Exercício 4

5 – Em posição de quatro apoios, com os dedos das mãos apontando para os joelhos, leve o tronco gentilmente para trás até seu limite, sem mover os apoios. Mantenha a posição por 15 segundos.

exercício 5
Exercício 5

6 – Sentado, mantendo a postura, ou em pé, com os joelhos, levemente dobrados, entrelace os dedos das mãos e estique os braços lentamente para frente, na altura dos ombros. Mantenha por 15 segundos.

exercício 6
Exercício 6

7 – Em pé, com os joelhos levemente dobrados, ou sentado, mantendo as costas alinhadas, em postura correta, apoie uma das mãos no ombro oposto e, com a outra, puxe o braço pela cotovelo, com o pescoço virado para o ombro do mesmo lado, mantendo por 10 segundos.

exercício 7
Exercício 7


8 – Deitado, estique seus braços, mãos e dedos acima da cabeça, com pernas, tornozelos, pés e dedos apontando para baixo. Mantenha por 20 segundos.

exercício 9
Exercício 8

9 – Deitado, certifique-se de que a cabeça, as costas e a coluna estejam bem apoiadas. Dobre uma das pernas e com as mãos e dedos entrelaçados, puxe-a pelo joelho de encontro ao peito, enquanto a outra repousa no solo. Mantenha por 15 segundos.

exercício 10
Exercício 9


10 - Deitado, com as mãos sob a cabeça, quadris e joelhos flexionados, e as solas do pés apoiadas no chão, cruze uma das pernas sobre a outra e puxe suavemente para o lado daquela que estiver por cima, apontando o joelho para o chão. Mantenha por 20 segundos e inverta a posição.

exercício 12
Exercício 10

11 – Deitado, com os braços abertos na altura dos ombros e relaxados, passe uma das pernas sobre a outra, que se mantém em repouso e em extensão, apontando o joelho dobrado para o chão, puxe com a mão do lado oposto, mantendo o braço do mesmo lado na posição original. Mantenha por 20 segundos e repita a mesma operação com a outra perna.

exercício 13
Exercício 11

12 – Deitado, sobre as pernas, flexionando joelhos e abduzindo e rodando os quadris até que as solas dos pés se encontrem. Mantenha a posição por 30 segundos, dentro do seu limite.

exercício 14
Exercício 12

13 – Sentado, mantendo postura correta, dobre as pernas, flexionando joelhos e abduzindo e rodando os quadris até que as solas dos pés se encontrem, apóie os cotovelos nos joelhos e segure os pés com as mãos. Promova a inclinação anterior do tronco até o seu limite, que será mantido por 20 segundos.

exercício 15
Exercício 13

14 – Em pé, mantendo a perna de apoio apontada para frente, apóie o pé da outra perna em superfície segura e, com o joelho dobrado, leve gentilmente o quadril à frente, mantendo a posição máxima para o seu limite por 20 segundos.

exercício 16
Exercício 14


15 – Sentado, com uma das pernas estendida e a outra flexionada para apoiar o pé no joelho, incline suavemente o tronco à frente, segurando a posição máxima do seu limite com as mãos na perna que permaneceu em extensão. Mantenha por 20 segundos e repita invertendo a posição das pernas.

exercício 19
Exercício 15

16 – Deitado de lado, com a perna no solo levemente dobrada, e a mão do mesmo lado apoiando a cabeça, dobre a perna de cima e puxe-a pelo pé com a mão livre suavemente, mantendo-a paralela à que ficou em repouso. Mantenha por 30 segundos e alterne o lado em seguida.

exercício 20
Exercício 16

17 – Em pé, com uma das pernas dobrada e posicionada à frente da outra, apóie-se com as mãos a uma parede, promova a flexão lenta do joelho posicionado atrás, sem tirar o calcanhar do chão, até atingir seu limite, que deverá ser mantido por 20 segundos, trocando em seguida o posicionamento das pernas e repetindo a operação.

exercício 22
Exercício 17


18 – Sentado, com as pernas cruzadas, mantendo a postura correta, com uma das mãos, force a inclinação lateral do pescoço em direção ao ombro do mesmo lado da mão até o seu limite, que será mantido por 10 segundos, fazendo em seguida a mesma operação do outro lado.

exercício 24
Exercício 18


Recomendações gerais:

- Toda atividade física, como estes exercícios, deve ser feita com o corpo aquecido.
- Os alongamentos são estáticos, ou seja, sem insistência e repetidos 3 a 5 vezes por sessão em série única.
- As séries dos movimentos resistidos são em número de 3, com breve intervalo entre elas.
- Nenhuma atividade física é dolorosa, se o for, interrompa e procure seu médico.
- Os movimentos aqui ilustrados devem ser praticados suavemente, em velocidade compatível com seu limite.


terça-feira, 25 de novembro de 2014

A massagem esportiva



Ela promete te deixar pronto pra outra. É comprovado que o toque libera oxitocina e serotonina, substâncias responsáveis por aliviar o stress, controlar a frequência cardíaca e a pressão arterial, turbinar a defesas do corpo e melhorar o humor. Um monte de motivos para você encarar a massagem e incluir de vez essa terapia na sua rotina de treinamento.

A massagem esportiva alivia as dores depois de uma semana puxada de treino, com toque geralmente mais vigoroso do que uma massagem relaxante comum. Essa terapia ajuda a tonificar e alongar os tecidos musculares, ativa a circulação, reduz o acúmulo de ácido láctico (que causa a dor no dia seguinte à ginástica), dissolve nódulos e ainda contribui para realinhar as costas.
E o melhor é que é possível focar a sessão no tipo de esporte que você pratica – por exemplo, nas pernas e costas se você corre; nos braços e ombros para quem joga tênis. O especialista pode realizar as manobras com óleos com ação estimulante, desintoxicante ou relaxante, dependendo do seu objetivo.
O ideal é fazer uma vez por semana se você malha pesado com frequência.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A TERAPIA POR MASSAGEM E O ESPORTE



Massagem e esporte sempre estiveram ligados, isso aparece com a as praticas gregas influenciadas por Hipocrates (pai da medicina). Em várias cidades gregas o esporte era ligado aos banhos com óleos que naturalmente eram realizados com massagens revigorantes. Somente com Cláudio Galeno 130 d.C que a Massagem ganhou espaço direcionado para os eventos de destreza e desporto, pois ele acreditava que ministrando massagem após as provas de força os competidores ganhariam o vigor necessário para continuar suas disputas. Galeno inovou e caracterizou a pratica da massagem para os eventos esportivos dando-lhe o nome de ”Apotherapia”.

Na antiga Roma os Médicos conhecidos como os “ungidores” – homens que praticavam a medicina ou, mais comumente, escravos que massageavam os pugilistas antes e depois das competições, utilizavam a Aphoterapia de Galeno. Galeno utilizava sua técnica, seguindo as bases Gregas Hipocrática, porem ganhou notoriedade com a forma que desenvolveu as manobras e também como as aplicava (atualmente este método é extinto, utilizado apenas para demonstrações e enriquecimento de aulas praticas).Seguindo a historia a massagem voltada para desporto ganhou certa notoriedade com o dr.Frederick Hoffaman em 1660-1742 na Holanda que foi o maior Médico que contribuiu para o desenvolvimento da massagem para circulação sanguínea juntamente ligada aos músculos, auxiliando na saúde integral.As descobertas de Hoffman, auxiliaram na descoberta dos efeitos que seriam descobertos.

Com a pratica de massagem desportiva estudada por Hoffaman os médicos retomam aos antigos métodos de preparar o corpo e repor o “vigor” dos indivíduos, que ficou proibido desde o século 12 até 15, pela Igreja. Em 1813, quando aparece a formatação da massagem clássica (Sueca), através de Perh Henrik Ling em Stocolm (Suécia) as formas de trabalhar com o esporte mudaram no universo da massagem. M. LeRon, discípulo de Ling levou o Movimento de Cura para a Rússia. 1895 outro expoente foi o médico holandês Johann Mezger que elevou a massagem como ciência em 1850, onde seus efeitos foram realmente divididos, deixando uma parte para desportos em geral. John Harvey Kellogg, médico adventista, usou massagem e hidroterapia em 1880. Logo depois o movimento de massagem Sueca foi introduzida nos Estados Unidos por dois médicos de Nova York, os irmãos George e Charles Taylor, que estudaram na Suécia. 1905.

Em pouco tempo a massagem Sueca era bem vista dentro dos círculos de esportes dentre os mais variados, indo da esgrima até grupos de Rugby, pois sua fama era surpreendente, a pesar de seus efeitos naquela época serem obscuros. Atualmente Suécia, França, Áustria, Alemanha, Rússia, Bulgária, Bélgica, Finlândia são referencias em massagem desportiva devido à cultura de massagem iniciada no século passado. Em pleno século XXI, grandes corporações mantém o espaço para o grupo de massoterapeutas, que trabalham ligados na equipe (comissão) médica.

Vale ressaltar que a massoterapia era utilizada no esporte muito antes da Fisioterapia, Quiropraxia e Osteopatia convencional.

As técnicas de massagem desportiva cresceram e hoje possui um rico arsenal técnico de trabalho que favoreceu uma especialização para massoterapeutas e licenciados em massagem fora do Brasil a chamada Massagem para médica ou massoprevencionismo. Dentro da massagem desportiva o profissional aprende dentre outras coisas: Métodos de alongamentos, Cinesiologia aplicada, terapia neuromuscular, liberação miofascial, massagem Sueca (não poderia ficar de fora), mobilização articular, socorros de urgência e métodos gerais de massoterapia.
ABRAMC Um novo conceito em saúde
- Sociedade Brasileira de Medicina Manual-2009
- ACSM - American College of Sports Medicine- 2007
-Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte - 2009

domingo, 23 de novembro de 2014

A MASSOTERAPIA E O BASQUETE




Sabe-se que o basquete é o esporte preferido dos Americanos e durante as décadas de 1980 e 1990, a massoterapia foi acrescentada as equipes para auxiliar no desempenho físico. Em conjunto com Quiropráticos e Fisioterapeutas os licenciados em massoterapia garantem a prevenção e manutenção de lesões com técnicas diversas dentre elas: Massagem Sueca, Drenagem Linfática, Alongamento Neuro proprioceptivo e Terapia por massagem miofascial. 


Atualmente no Brasil temos diversos representantes da massoterapia trabalhando neste segmento. Temos como exemplo e vasta experiência o Prof. Claudio Maradei. , que trabalhou com massoterapia por mais de 25 anos e com presença na Seleção Brasileira de Basquete em 2009/2010.

abramc

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

PROFISSÃO DE TERAPIA POR MASSAGEM NO REINO UNIDO


A massagem teve inicio nos países Escandinavos, e em 1813 teve sua ascensão na Suécia. Durante o período entre guerras a massagem obteve seu crescimento devido a alguns gênios do trabalho corporal, dentre eles Pilates, Feldenkras, Elizabeth Dicke, Ida Rolf, Boris Chaitow e Stanley Lief dentre outros.A formação profissional depende de validação do comitê Britânico ou Associação representante. Em nível de estudo a profissão atinge nível de graduação superior em divide-se o bacharelado, licenciamento, com extensão em pós-graduação e mestrado.

As praticas diferenciam entre o modelo Europeu e o modelo Americano, pois a formação é diferente em nível e escala de aproveitamento. Segundo Patrick Pietrony professor de Massoterapia em ambulatório de saúde na Grã Bretanha: ”A massoterapia hoje já atinge o patamar de ciência e recurso mais utilizado em toda a Europa”. Liza H.Paul – “A massagem obteve seu crescimento cientifico na virada do século XX para XXI e acreditamos que crescerá ainda mais durante as duas décadas que se seguem.”

Fonte
AMTA (Massage Therapy Association Americans) by ABRAMC 2011
-University of the Westminster (Reino Unido) – 2010
SMS/RJ– 2004.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

DIMINUIÇÃO DE FORÇA E QUEDAS FREQUENTES ! VOCÊ SABE O QUE É SARCOPENIA ?




Fraqueza muscular, Insegurança para se locomover, quedas, tombos frequentes e fraturas, podem estar relacionadas a perda de massa muscular. A Sarcopenia ocorre com o envelhecimento e está associada à redução na força e potência muscular entre os 50 e 70 anos de idade, devido, principalmente, à perda de fibra muscular e à atrofia seletiva das fibras do tipo II. A perda de força muscular é ainda maior depois dos 70 anos; 28% dos homens com 75 anos não conseguem levantar sobre suas cabeças objetos com peso maior que 25 quilos. Com o aumento da idade, há uma redução progressiva na potência muscular, na velocidade da geração de força e na resistência à fadiga, que acabam diminuindo a capacidade de persistir em uma tarefa.

A perda de força e massa muscular leva a uma deterioração da função física, como indicado pela prejudicada habilidade de levantar de uma cadeira, subir degraus, acelerar o passo e manter o equilíbrio. A deterioração da função física contribui para a perda da independência, para a depressão e para o aumento do risco de quedas e fraturas no idoso.

Procure um profissional da saúde, pois o melhor tratamento é a prevenção e investimento na área nutricional e Na prática regular e bem orientada de atividades físicas, dentro dos limites e das possibilidades de cada indivíduo.

A massoterapia terá papel secundário em treinamento interdisciplinar.



ABRAMC

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Distúrbios neuromusculares e Terapia por Massoterápica





Após o reingresso da massoterapia na área de saúde em 1960, muitas coisas (técnicas, conhecimento, princípios e recursos) foram acrescentados a terapia por massagem. Uma das contribuições foi o estudo minucioso sobre os tecidos moles. As informações anatômicas e fisiológicas das intercorrências mecânicas descobertas foram fundamentais para mudar os parâmetros de tratamento em tecidos moles. O professor Patrick Pietroni, (FT),que trabalha com a análise de músculos e seu efeito na disfunção garante que o foco do terapeuta é totalmente outro em relação a quadro álgico, movimento e força. Hoje o massoterapeuta deve concentrar-se nas disfunções. 

A disfunção por sua vez á o campo primordial do massoterapeuta, pois só pode trabalhar para correção, reeducação de tecido e até regeneração caso o profissional entenda através do campo da disfunção. O Dr. Leon Chaitow, maior divulgador da massagem científica na Europa, explica que todo e qualquer distúrbio incluindo aspectos de campos bioenergéticos podem estar atrelados as disfunções. Uma disfunção clássica são ocorrências nos DNM's (distúrbios neuromusculares), que eram classificados na Osteopatia como lesões simples, mas para massoterapia são disfunções de compensação ou clássicas que promovem alterações no grupo neuro-músculo-esqueleto, ou musculo-fascia articulação, que impedem ou dificultam a função motriz de movimento incluindo a biomecânica e cinesiologia, comprometendo finalmente os músculos. 

Após o acometimento o individuo apresenta sinais como: Fraqueza na região, nódulos palpáveis, sensibilidade cutânea, (contratura) banda tensa e presença de "pontos” de dor que podem ser chamados de pontos de Jonnes, que são formações nodulares agudas que se desenvolvem como consequência de continua injuria ao tecido miofacial ou tendíneo. Quando não cuidados esses pontos podem ficar crônicos e tornarem –se “pontos de gatilhos” formando micro-fibroses em trechos de feixes-musculares, podendo manifestar ainda; espasmo muscular segmentar, dor referida ou irradiada e perda de força que ocorre como efeito da disfunção da capacidade do fuso muscular e isquemia local. A novidade é que até os campos de energia da região podem ficar enfraquecidos ou com bioenergia estagnada.

A observação geral é que, em sua maioria as disfunções são manifestas de varias formas, sendo as mais conhecidas como DORT e LER. DORT (doenças relacionadas ao trabalho) ou LER (Lesão por esforço repetitivo). Caso não sendo tratado adequadamente, essas disfunções podem ser levadas para outras áreas do corpo, porque não são consideradas doenças e sim “pré-disposições vivas”, ou seja, elas se “alimentam” da mecânica errada, alimentação inadequada e falta de exercício corretivo quando já manifesta. Portanto, uma disfunção em determinado músculo não tratado irá crescer e se alastrar nas fibras para outras áreas, sendo conhecida como disfunção de grupo.

Tanto Europa quanto parte dos EUA, Massoterapeutas licenciados já trabalham focados nas lesões de tecidos moles ou disfunções clássicas. 


ABRAMC-Um novo conceito em saúde
Massoterapia Clinica-É medicina feita a mão
University of the Westminster -2007
Miami Institute Center-2009
Seminary Fascia ,Virginia/EUA -2010

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

O que é o ácido láctico?


O que é o ácido láctico?
O ácido láctico é um ácido monocarboxílico que, no organismo humano, resulta da metabolização celular da glicose com fins energéticos. Falamos habitualmente do ácido láctico quando falamos da prática de exercício físico. À semelhança dos restantes cetoácidos do metabolismo energético, também o ácido láctico tende, no ambiente celular, a perder um ião hidrogênio a transformar-se em lactato. Por essa razão, do ponto de vista fisiológico, faz mais sentido falar-se em lactato do que em ácido láctico.
Como se forma? Onde se acumula?
Para uma célula, do ponto de vista energético, é muito vantajoso metabolizar a glicose até dióxido de carbono (CO2) e água (H2O), porque daí obtém uma boa quantidade de energia química. A primeira fase desta via metabólica, que dura até à formação de piruvato (um cetoácido), ocorre no citosol (porção líquida solúvel do citoplasma das células), gera pouca quantidade de energia por molécula de glicose, mas tem a particularidade de ser muito rápida. A segunda fase ocorre na mitocôndria, local onde o piruvato é totalmente oxidado até CO2 e H2O e dá origem a uma grande quantidade de energia, mas ocorre de uma forma muito lenta. Apesar destas duas fases, normalmente, surgirem em sequência, nem sempre o piruvato, formado no citosol, entra na mitocôndria para seguir a segunda fase da via metabólica. De facto, em situações de disfunção mitocondrial ou de maior exigência energética por unidade de tempo, algumas células, nas quais se incluem as fibras musculares esqueléticas, optam por fazer uma quebra entre as duas fases da via metabólica energética, transformando, no citosol, o piruvato em lactato, por ação da enzima Lactato Desidrogenase. Este "desvio" do piruvato para lactato permite que a fase rápida, citosólica, possa ocorrer de forma independente da fase lenta mitocondrial. Assim, a produção de lactato por uma célula, que nesta situação deve ser considerado como um seu produto final do metabolismo, serve apenas o fim de dissociar as duas fases do metabolismo da glicose. Com esta estratégia, apesar de retirar menos energia por molécula de glicose, a célula consegue fazer muitas fases rápidas citosólicas enquanto ocorre uma fase lenta, isto é, consegue, durante um curto período, degradar muitas moléculas de glicose por unidade de tempo e, dessa forma, gerar grande quantidade de energia por unidade de tempo e, assim, fazer face a situações de maior exigência energética, como aquelas que ocorrem com exercícios físicos intensos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts with Thumbnails